Médicos vindos do exterior conhecem unidades nas quais irão trabalhar

Os profissionais com diploma estrangeiro que trabalharão em Curitiba pelo programa federal Mais Médicos conheceram nesta quinta-feira (19) as unidades de saúde nas quais ficarão lotados. O egípcio Mohamed Ali e os brasileiros formados na Rússia, Luiz Lucas Correia Neto e Lígia Misurini, vão atender a população da regional Bairro Novo, no bairro Sítio Cercado.

Lígia recebeu as boas vindas na unidade Bairro Novo da aposentada Edite Vieira, usuária da unidade. Fiz questão de receber bem os novos médicos pela importância do trabalho deles para a nossa comunidade. Não me importa de onde eles vieram, mas sim que atendam bem a população, disse.

Lígia é clínica-geral e se formou em Moscou, depois de estudar sete anos na Rússia. Assim como os colegas, em Curitiba ela vai trabalhar como médica da família. Ela agradeceu a boa recepção e disse que está ansiosa para começar a atender. Minha expectativa é a melhor possível. Agora que conheci a unidade e as pessoas daqui, tenho certeza de que vamos conseguir formar uma equipe muito competente.

Luiz Lucas, que se formou na cidade russa de Belgorod, vai atender na unidade Nossa Senhora Aparecida. O médico considera importante essa fase de adaptação para conhecer a estrutura da rede de saúde de Curitiba. Quero visitar as unidades básicas, me integrar totalmente e ficar a disposição da população para retribuir a sensação de alegria que todos demonstraram com a minha chegada.

O único estrangeiro do grupo é o egípcio Mohamed Ali, mestre em Cirurgia-geral e em Neurocirurgia. Depois de passar seis meses no Instituto de Neurologia de Curitiba, ele escolheu a cidade para viver e trabalhar. Eu tive muita sorte de conhecer Curitiba, gosto de tudo aqui, principalmente das pessoas, que são parecidas com as do meu país, disse o médico, que tem boa fluência do Português.

Os médicos com diplomas estrangeiros ficam por 3 anos no programa Mais Médicos e vão trabalhar com registro profissional provisório, atuando exclusivamente na rede de atenção básica.