RÁDIO PATRULHA

Ministério Público denuncia ex-secretário de Beto Richa

O Ministério Público do Paraná, a partir do Núcleo de Curitiba do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), apresentou à Justiça nova denúncia criminal no âmbito da Operação Rádio Patrulha, deflagrada em setembro de 2018 para apurar direcionamento de licitação destinada à compra de maquinários para o programa estadual Patrulha do Campo durante o governo Beto Richa. Desta vez são denunciadas quatro pessoas por lavagem de dinheiro, incluindo o ex-secretário de Assuntos Estratégicos do Paraná, Edson Casagrande e sua mulher.
Segundo as investigações do Gaeco, os acusados participaram de esquema que possibilitou a lavagem de pelo menos R$ 14.885.425,70. O dinheiro é resultado de contratos firmados indevidamente por empresa mantida pelos denunciados com o Departamento de Estradas e Rodagem (DER), por meio de fraudes a licitações e desvio de recursos públicos.
O Gaeco apurou que o então secretário, com suporte da mulher e dos outros requeridos, sócios “oficiais” da empresa, fizeram diversas transferências bancárias de valores recebidos do Estado para outros estabelecimentos comerciais ligados ao mesmo grupo financeiro, chefiado pelo ex-secretário, com o intuito de dissimular a origem e a utilização dos valores.
No total, a empresa vinculada aos denunciados recebeu R$ 27.743.418,06 do DER. Com a nova denúncia, além da condenação dos requeridos por lavagem de dinheiro, o Ministério Público pede o ressarcimento de R$ 14,8 milhões.
Em nota, a defesa de Edson Casagrande negou as acusações. “Todas atividades empresariais de Edson Casagrande são lícitas e jamais se confundiram com a função pública por ele exercida, conforme documentalmente comprovado”, afirma a nota. Segundo os advogados do ex-secretário. houve falta de imparcialidade do Ministério Público.