Publicidade
Covid-19

Ministro da Saúde sugere uso de máscara de pano à população para proteção

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, traçou um cenário de extrema dificuldade para aquisição de insumos básicos de proteção contra o novo coronavírus e recomendou à população que pare de comprar máscaras descartáveis e faça a própria peça de proteção, com pano e elástico. Mandetta também reforçou também o valor do isolamento social, medida criticada pelo presidente Jair Bolsonaro.

A escassez dos chamados Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), que incluem máscaras, luvas e álcool em gel, por exemplo, além da falta de sopradores mecânicos, levou a crise do desabastecimento para dentro dos hospitais de todo o País. "Hoje, nós estamos muito preocupados com a regularização de estoque desses equipamentos", disse Mandetta, em coletiva ontem com outros ministros.

"Se nós não fizermos retenção de dinâmica social, se nós sairmos, nos aglomerarmos, se fizermos movimentos bruscos e relaxarmos nesse grau de contágio, sim, você pode ficar com uma série de problemas em equipamentos de proteção individual, porque nós não estamos conseguindo adquirir de forma regular o nosso estoque."

O ministro pediu que a população faça a própria máscara e pare de buscar esse tipo de produto. "Quem fez estocagem domiciliar (de máscaras)... é na unidade de saúde que tem de ter. Acho que máscaras de pano para os comunitários (população) funcionam muito bem como barreira. Não é caro de fazer, faz você mesmo e lava com água sanitária", disse o ministro. "Tenha quatro ou cinco máscaras dessas, lave com água sanitária. Agora, é lutar com as armas que a gente tem. Não adianta agora ficar lamentando que a China não está produzindo. Nós vamos ter de criar as nossas armas e serão aquelas que nós tivermos."

O gigante asiático, onde a covid-19 surgiu, é agora o grande destino de todo o planeta, que busca a compra de suprimentos para se proteger da pandemia.

O uso de máscaras de TNT pela população em geral para reduzir o contágio do novo coronavírus ganha força entre países da Europa e nos Estados Unidos. Reportagem publicada no início desta semana no jornal americano The Washington Post diz que funcionários do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) consideram alterar as orientações oficiais para incentivar as pessoas a tomarem medidas para cobrir o rosto.

Apesar de não haver estudos científicos que comprovem a correlação entre o uso de máscaras e o menor ritmo de espalhamento da doença, essa atitude pode ter feito a diferença. Artigos recentes de especialistas publicados nos jornais The New York Times e no The Washington Post dizem que apesar de a OMS não recomendar o uso universal de máscaras, países que adotaram essa conduta por conta própria tiveram redução da disseminação. Uma das evidências apontadas é que Hong Kong, Mongólia, Coreia do Sul e Taiwan, onde a população já tem o costume de usar máscara nas ruas, estão com o surto sob controle.

Controvérsia

Mesmo com indicações nesse sentido, a ampliação do uso de máscaras é controversa para os profissionais da saúde. "Não tenho opinião nenhuma sobre o uso da máscara pela população em geral e a diminuição da disseminação da doença, eu só falo sobre coisas sobre as quais há dados científicos", diz Fernando Reinach, biólogo, professor aposentado da Faculdade de Bioquímica da Universidade de São Paulo e colunista do Estado.

Para o professor de infectologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) Celso Granato, o arcabouço teórico mudou. No começou, a avaliação que se tinha era de que a proteção proporcionada pela máscara para quem não estava doente era discreta e, pela escassez do produto, era mais importante indicar o uso aos profissionais de saúde. No entanto, o especialista observa que em função de esse ser um vírus mais transmissível do que se imaginava no começo, é possível que o contágio não ocorra apenas por gotículas, mas também por partículas que ficariam "boiando" no ar por uns 20 minutos. Por isso, diz Granato, a máscara poderia ter algum benefício.

"Ainda que não seja uma proteção maravilhosa, se a máscara proteger 30%, será melhor do que nada", diz Granato, que concorda com uma mudança de recomendação do ministério da Saúde. Mas ele ressalta, no entanto, que é preciso ensinar as pessoas a usarem a máscara.

Por exemplo, trocá-la periodicamente, não colocar a mão na máscara usada, porque ali estão concentradas as gotículas. Também é preciso continuar fazendo todos os outros procedimentos básicos, como lavar as mãos, usar álcool e manter o isolamento social.

A confecção de máscaras caseiras, como já ocorre em outros países, pode ser uma alternativa para dar conta da grande procura pelo produto, enquanto a indústria não consegue suprir a demanda por profissionais da saúde. Neste caso, o infectologista acredita que deveria existir uma orientação de como fazer essas máscaras artesanalmente, indicando quais materiais poderiam ser usados. Muita criatividade pode ajudar no improviso de máscaras artesanais e exemplos não faltam, com o uso de camisetas e de outros tecidos e até filtros de coador de papel de café. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES