Política

Minoritária, parcela linha dura da população cresce, diz Datafolha

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Nova pesquisa Datafolha mostra que a parcela da população brasileira com uma visão linha dura, ainda que permaneça minoritária, cresceu em relação a 2014.

Em que pese essa mudança, uma maioria contra ações antidemocráticas continua consolidada. 

O instituto apresentou possibilidades de ações que o governo brasileiro poderia tomar e perguntou a opinião do entrevistado. Hoje concordam com uma eventual intervenção em sindicatos 41% dos brasileiros, 12 pontos a mais do que quatro anos atrás. Outros 51% discordam -eram 59%.

Quanto à prisão de suspeitos de crimes sem a autorização da Justiça, 32% concordam -seis pontos a mais do que em 2014. Ainda assim, a maior parte -65%- discorda.

Cresceu 11 pontos a taxa daqueles que concordam totalmente ou em parte que o governo deva ter o direito de proibir a existência de algum partido -hoje é de 33%. Os contrários são 61%, ante 66% em 2014.

A censura a jornais, rádios e TV imposta pelo governo também ganhou adeptos. Eram 13% dos brasileiros, hoje são 23%. Discordam 72% -oito pontos a menos do que na pesquisa anterior. 

O Executivo deve poder fechar o Congresso Nacional para 21% da população. O índice era 14% em 2008 e 19% em 2014. Rejeitam essa prerrogativa 71%.

Ficaram estáveis os índices que medem a opinião da população sobre tortura e proibição de greves. Se hoje 80% discordam que o governo possa usar de violência para tentar obter confissões e informações de suspeitos e 16% concordam, antes eram 78% e 14%, respectivamente.

Já quanto à coibição de greves, 72% são contra e 24%, a favor. Eram em 2014 72% e 22%.

Uma parcela de 52% dos brasileiros não acha que o governo brasileiro deva ter o direito de controlar o conteúdo nas redes sociais e 43% admite a possibilidade.

O levantamento foi feito em 17 e 18 de outubro, com 9.137 entrevistas presenciais em 341 municípios. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95% --essa é a chance de o resultado retratar a realidade. 

Contratada pela Folha de S.Paulo e a TV Globo, a pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o número BR 07528/2018.

NOVA DITADURA

O Datafolha mostra ainda que a expectativa de uma nova ditadura no Brasil cresceu. 

Os eleitores que declararam haver essa possibilidade cresceu 11 pontos em comparação com a pesquisa de fevereiro de 2014. O índice, antes de 39%, agora é de 50%. 

Rechaçam esse horizonte 42% dos eleitores, antes eram 51%.

As mulheres (55%) e os mais jovens (59%) declaram mais essa percepção do que os homens (45%) e os mais velhos (47%).

Também os menos instruídos (54%) e os mais pobres (57%) desconfiam mais de uma mudança de regime do que os mais instruídos (43%) e mais ricos 38%).

Entre eleitores de Fernando Haddad (PT), 75% dizem que existe a possibilidade de o Brasil voltar a ser uma ditadura. Entre os que votam em Jair Bolsonaro (PSL), 65% descartam essa hipótese.

 Passados 33 anos, o legado da ditadura militar divide os brasileiros. Para 51%, as realizações foram mais negativas do que positivas -eram 46% em 2014. Para 32%, o saldo é positivo -eram 22%. Não opinaram 17%, antes 32%.