Início de 2021

No Paraná, casos de Covid-19 entre crianças e adolescentes crescem 16 vezes no começo de 2022

Nesta semana, Saúde reativou novos leitos para atender demanda
Nesta semana, Saúde reativou novos leitos para atender demanda (Foto: Reprodução/Sesa-PR)

Enquanto a vacinação contra o coronavírus entre pessoas com idade de 0 a 11 anos engatinha no Paraná, os casos de Covid-19 entre crianças e adolescentes se multiplicam acendendo a luz de alerta. Segundo dados da Secretaria de Saúde do Paraná (Sesa-PR), compilados a partir dos Informes Epidemiológicos divulgados diariamente, o mês de janeiro de 2022 já registra um número de contaminações entre jovens que é recorde desde o início da pandemia e quase 16 vezes superior ao mês passado, dezembro de 2021.

Até ontem, o Paraná havia divulgado, apenas em 2022, um total de 41.086 diagnósticos positivos para a Covid-19 entre jovens que tem de 0 a 19 anos de idade. Em 27 dias do Ano Novo, portanto, as contaminações pelo coronavírus entre crianças e adolescentes já superam o total de diagnósticos nessa faixa etária ao longo de todo o ano de 2020 (40.686), sendo equivalente ainda a mais de um quarto (26%) dos 157.408 registros de 2021.

Na comparação com dezembro do ano passado, o aumento nos casos da doença pandêmica é assustador. Em dezembro, 2.644 crianças e adolescentes haviam sido contaminadas. Os números parciais do primeiro mês de 2022, portanto, são quase 16 vezes superiores ao do último mês de 2021, com uma alta de 1.454% nos registros.

Além disso, já foram confirmados até aqui quatro óbitos entre jovens, dois deles vitimando crianças de 0 a 5 anos e outros dois que vitimaram pessoas de 10 a 19 anos. Em 2020, 19 jovens faleceram por causa da Covid-19 (uma pessoa que tinha entre 0 e 5 anos e outras 18 que tinham de 10 a 19 anos). Já em 2021 foram 108 vítimas (30 crianças de 0 a 5 anos, nove de 6 a 9 anos e 69 de 10 a 19 anos), com quatro registros no primeiro mês do ano passado.

Por fim, importante notar que desde o começo do ano e com a explosão de contaminações houve, também, um aumento da demanda hospitalar. No primeiro dia de 2022 nenhum dos leitos pediátricos na rede pública de saúde para pacientes suspeitos ou confirmados Covid-19 estava ocupado. Ontem, já eram cinco pacientes na UTI (todos hospitalizados na regional leste, onde fica Curitiba) e outros 15 em enfermarias. As taxas de ocupação estão em 33% e 44%, respectivamente.

No Estado, apenas 1,25% das crianças de 5 a 11 anos já foram vacinadas

Conforme informações da Rede Nacional de Dados em Saúde (RNDS), do Ministério da Saúde, até ontem um total de 13.425 crianças de 5 a 11 anos de idade haviam sido vacinadas no Paraná contra a Covid-19, tendo tomado ao menos a primeira dose do imunizante contra a doença. Isso equivale a apenas 1,25% do público vacinável nessa faixa etária, estimada em 1.075.294 crianças pelo Ministério da Saúde, conforme a Nota Técnica nº 2/2022.

Em Curitiba, segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), um total de 89.204 crianças de 5 a 14 anos já foram vacinadas, o equivalente a 37,4% dos jovens dentro dessa faixa etária. O município, porém, suspendeu para o dia de hoje a vacinação de crianças de 5 a 11 anos, alegando a necessidade de reorganizar o fluxo da vacnação contra a Covid-19 por conta da alta demanda. Nos últimos dois dias houve um grande aumento de procura por crianças fora da faixa etária convocada no dia. Na quarta-feira (26) foram 2.100 crianças fora da data e ontem mais 2.300 que não faziam parte do público previsto.

A vacinação de crianças na capital paranaense será retomada na próxima segunda-feira e será feita de forma escalonada, por data de nascimento. No dia 31 poderão receber a primeira aplicação as crianças nascidas entre 1º de janeiro e 30 de junho em 2014. No dia 1º de fevereiro, serão atendidas as crianças nascidas entre 1º de julho e 31 de dezembro de 2014. A ampliação para demais faixas etárias depende da avaliação de estoque ou da chegada de nova remessa de imunizantes pediátricos.

Hemepar reforça novos critérios para a doação de sangue após infecção

O Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná (Hemepar) diminuiu de 30 para 10 dias o período de espera para quem teve Covid-19 poder doar sangue. A contagem começa a partir da recuperação completa da doença. Mesmo quem esteve assintomático e testou positivo para a doença, deve esperar os 10 dias para voltar aos Hemocentros ou unidades de coleta de sangue.

A atualização dos critérios foi feita pelo Ministério da Saúde, na terça-feira, em nota técnica (Nº13/2020-CGSH/DAET/SAES/MS). O documento informa que pessoas candidatas à doação de sangue que apresentaram um teste diagnóstico para SARS-CoV-2 (por exemplo, teste PCR ou pesquisa de antígenos em swab de nasofaringe) positivo, mas permanecem assintomáticas, deverão ser consideradas inaptas por um período de 10 dias da data da coleta do exame.

Para pessoas que tiveram contato próximo a um caso confirmado de Covid-19, deverão ser consideradas inaptas pelo período de 7 dias após o último contato com essas pessoas. Não apresentando nenhum sintoma, pode fazer a doação.

Aqueles que permaneceram em isolamento voluntário ou indicado por equipe médica devido a sintomas de possível infecção pelo SARS-CoV-2 deverão cumprir o isolamento indicado e só depois estarão aptos a doar.

O Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná (Hemepar) está ciente das mudanças e seguirá este novo prazo, reforçando que quem recebeu a vacina contra a Covid-19 deve esperar sete dias. E quem se vacinou contra gripe, 48h.

No ano passado, 177.160 pessoas se candidataram para doar sangue e 151.054 bolsas foram coletadas nas 22 unidades da hemorrede.

Casos e mortes por Covid-19 no Paraná entre crianças e adolescentes, ano a ano
(faixa etária de 0 a 19 anos)

2020
Casos: 40.686
Mortes: 19

2021
Casos: 157.408
Mortes: 108

2022*
Casos: 41.086
Mortes: 4

* Até o dia 27/01/22