levantamento do tribunal de contas

No Paraná, 15% da população está com segunda dose atrasada

TCE: “o ciclo incompleto é desperdício de recursos”
TCE: “o ciclo incompleto é desperdício de recursos” (Foto: Franklin de Freitas)

Levantamento divulgado hoje pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE/PR) e realizado em parceria com a Controladoria-Geral da União aponta que no Paraná, o atraso na aplicação da segunda dose da vacina contra a Covid-19 chega a 15% da população. Por isso, o TCE enviou, ontem, ofício aos 399 prefeitos paranaenses cobrando medidas para aplicar a segunda dose da vacina contra a Covid-19 em cidadãos que estão com a imunização atrasada. No mesmo ofício, o TCE pede informações para apurar o número de municípios que já aprovaram leis instituindo o “passaporte da vacinação” como condicionante de acesso a espaços públicos de uso coletivo.

“O ciclo incompleto da vacinação, com a ausência ou aplicação intempestiva da segunda dose, implica em desperdício de recursos públicos, posto que não gera a proteção desejada, ao mesmo tempo em que demanda gastos do erário”, afirma o ofício enviado aos prefeitos.

Diante do cenário apontado no levantamento, o TCE-PR orienta os gestores municipais a adotar medidas. A primeira é a busca ativa, para identificar e localizar aqueles que não completaram o esquema vacinal. Após essa etapa, deve ser feito o contato por telefone ou visita domiciliar aos faltosos, trabalho que deve ser realizado preferencialmente por agentes comunitários de saúde.

A terceira medida recomendada pelo Tribunal é a realização de campanha institucional - no site e nas redes sociais da prefeitura - sobre a importância da vacinação, a efetividade e a segurança de todos os imunizantes disponíveis hoje no Brasil.

No ofício, o TCE também pede que as prefeituras informem se já possuem lei instituindo o “passaporte da vacinação”. O prazo para os municípios paranaenses responderem o questionário do TCE-PR é de sete dias.