Cotidiano

Observatório do Clima diz que trabalhará para que Bolsonaro faça o contrário do que prometeu

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Após a vitória de Jair Bolsonaro (PSL) na eleição presidencial, o Observatório do Clima -uma das ONGs brasileiras mais importantes sobre meio ambiente- se posicionou sobre o que espera do novo presidente.

"Presidentes recém-eleitos em geral são saudados com uma saudável cobrança para que cumpram o que prometeram em campanha. Mas não no Brasil de 2018: após esta eleição incomum, o Observatório do Clima trabalhará para que o novo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, faça o oposto do que prometeu."

"As propostas feitas por Bolsonaro durante a campanha são graves e estimulam o desmatamento e a violência no campo. Lutaremos incansavelmente para que não seja implementada no país uma agenda destruição ambiental", afirma Marcio Astrini, coordenador de Políticas Públicas do Greenpeace.

A ONG afirmou que o retrocesso não pode ser política de Estado e que lutará para fortalecer o Ministério do Meio Ambiente e demais órgãos vinculados e instâncias.

"...lutaremos para que as instâncias de governança sejam fortalecidas, em especial o Ministério do Meio Ambiente e seus órgãos vinculados, bem como para que seja ampliada a política de áreas protegidas, que inclui a criação de unidades de conservação e a demarcação e homologação de terras indígenas."

Enquanto candidato, Jair Bolsonaro mencionou mais de uma vez a intenção de tirar o Brasil do Acordo de Paris. Assinado há três anos por 195 países, o tratado foi o primeiro a reunir quase todas as nações em torno de compromissos para limitar o aquecimento global. O observatório cobrará o presidente pelo cumprimento das metas climáticas.

"Da mesma forma, perseguiremos de forma incansável o cumprimento das metas do Brasil contra as mudanças climáticas e a ampliação da ambição dessas metas, em linha com os objetivos do Acordo de Paris de estabilizar o aquecimento global em 1,5oC. Dar as costas ao acordo do clima e a medidas de adaptação a extremos climáticos seria desastroso para o país."

"O Brasil tem um histórico de combate às mudanças climáticas desde antes de isso ser uma emergência global. Adotou um programa pioneiro de biocombustíveis já nos anos 1970; nos anos 1990, teve papel fundamental nos acordos internacionais contra a crise do clima e, nos anos 2000, deu uma das maiores contribuições do mundo à mitigação das emissões ao reduzir o desmatamento na Amazônia. Desperdiçar essa liderança seria, além de burrice, um ato antipatriótico", disse André Ferretti, gerente de Estratégias da Conservação da Fundação Grupo Boticário e coordenador-geral do Observatório do Clima.

A entidade exigirá proteção a ativistas ambientais. Segundo o observatório, o Brasil é o país que mais mata defensores do meio ambiente no mundo. "Resistiremos a qualquer investida contra os povos e comunidades tradicionais, protegidos pela Constituição, bem como a qualquer violência contra ativistas ambientais. O clima instaurado na campanha eleitoral, com atentados a agentes do Ibama e ao ICMBio, apenas aumentou o perigo. É tarefa do presidente eleito desarmar essa bomba", finaliza.