Publicidade

Ocorrido pela 1ª vez na Série B, jogo com W.O. não é raro no futebol brasileiro

Ao ver os seus jogadores se recusarem a entrar em campo para enfrentar o Cuiabá, na noite de terça-feira, na Arena Pantanal, alegando seguidos atrasos salariais, o Figueirense protagonizou o primeiro caso de derrota por W.O. na história da Série B do Campeonato Brasileiro. Esse tipo de situação, entretanto, está longe de ser uma exceção no futebol nacional.

No caso mais recente antes deste último em uma das divisões do País, o Mogi Mirim perdeu desta mesma forma para o Ypiranga pela Série C de 2017. Também alegando salários atrasados, os jogadores do time não foram ao gramado para enfrentar o clube gaúcho em casa, no estádio Vail Chaves. Naquela temporada, a equipe do interior paulista acabou sendo rebaixada para a Série D.

Em 2016, pouco depois do acidente aéreo que provocou a morte de 71 pessoas que estavam no avião que levava a delegação da Chapecoense até a Colômbia para a final da Copa Sul-Americana, o time catarinense tinha pela frente um jogo contra o Atlético-MG pela rodada final do Brasileirão. E, por motivos óbvios, o clube de Chapecó não tinha como colocar uma equipe em campo na Arena Condá, assim como o Atlético se negou a atuar em respeito ao luto vivido pelo rival e pelo próprio futebol brasileiro. Porém, a CBF mesmo assim determinou a realização do jogo, que terminou com um duplo W.O., para cumprir protocolos que estavam previstos para o confronto.

Dois anos antes deste caso ocorrido na elite nacional, o Grêmio Barueri foi decretado perdedor por W.O. de uma partida contra o Operário-MT, válida pela quinta rodada da fase de grupos da Série D do Brasileiro de 2014, após um protesto dos seus jogadores por causa de atrasos nos pagamentos dos seus vencimentos.

Naquela ocasião, eles reivindicavam a quitação de quatro meses de direitos de imagem e dois meses de salários na carteira profissional (CLT). O confronto ocorreria na Arena Barueri. E, após os atletas da equipe paulista resolverem não entrar em campo, o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) condenou o clube a pagar uma multa de R$ 2,5 mil.

CASOS EM ESTADUAIS - Se no âmbito nacional os casos de W.O. não são raros, em campeonatos estaduais os mesmos já ocorreram em diversas ocasiões. Um deles, curioso pelo seu motivo, aconteceu há 20 anos. O Bahia foi declarado campeão baiano de 1999 depois de o time do Vitória não aparecer na Fonte Nova para enfrentar o rival no duelo final da competição.

O clube rubro-negro alegou que não havia sido notificado sobre a troca do local do confronto, inicialmente programado para o Barradão, e acabou descumprindo uma liminar concedida por um juiz, que determinou que o clássico fosse transferido do estádio do Vitória para a Fonte Nova.

Em uma situação incomum, os jogadores do rubro-negro foram até o Barradão para disputar a decisão, enquanto a equipe do Bahia entrou em campo no principal estádio de Salvador, sendo que as torcidas de cada clube tomaram os mesmos destinos dos atletas de seus respectivos clubes. Como a decisão judicial prevalecia, o time tricolor faturou o título com uma vitória por W.O..

Em outro caso, mas este bem recente, ocorrido no início deste mês, o Batatais recebeu uma suspensão de 30 dias do Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo (TJD-SP) por suspeita de manipulação de resultados em confrontos da equipe pela Série A3 do Campeonato Paulista. Com isso, o time foi derrotado por W.O. nos seus jogos que teria para disputar pela Copa Paulista após a decisão judicial.

Em janeiro deste ano, o Rio Claro também foi decretado perdedor por W.O., e pelo placar de 3 a 0, do jogo que faria contra o Juventus pela Série A2. A punição ocorreu porque o clube não solicitou dentro do prazo exigido à Federação Paulista de Futebol a alteração do local do confronto com o Juventus depois que o estádio Augusto Schmidt, em Rio Claro, foi interditado.

O Blumenau, por sua vez, foi excluído neste ano da segunda divisão do Campeonato Catarinense pela federação local após seguidas anulações de jogos da equipe na competição por ausência de laudos de segurança no estádio Ervin Blaese, em Indaial, onde o time mandava as suas partidas. A decisão da entidade ocorreu em julho passado.

No ano passado, o Arapongas perdeu por W.O. para o Grecal pela terceira divisão do Campeonato Paranaense depois de os jogadores e também a comissão técnica do clube se recusarem a entrar em campo no estádio dos Pássaros, onde a equipe atuaria como mandante. Nesta ocasião, os jogadores cobravam dois meses de salários atrasados.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES