Publicidade
Gente de Bem

ONG usa o tricô e o crochê no combate à depressão

Projeto liderado por Luciana Cortez está presente em oito postos de saúde
ONG usa o tricô e o crochê no combate à depressão
Luciana: “Objetivo é ensinar e levar renda para as famílias” (Foto: Geraldo Bubniak)

Rodolfo Luis Kowalski
Na luta contra a depressão e as crises de pânico (desencadeadas pelo trauma de um sequestro relâmpago ocorrido em 2007), Luciana Cortez encontrou no tricô e no crochê um alento. A garagem da casa em que mora, no Campo de Santana, virou uma espécie de ateliê improvisado, onde ela pôde voltar a praticar a arte que havia aprendido na infância, quando tinha apenas oito anos, e que estava esquecida por conta da correria do dia a dia - casamento, maternidade, trabalho.
Ali, tratou de terminar o feitio de um tapete, projeto iniciado anos antes e do qual havia até se esquecido até encontrar por acaso o tapete inacabado. 
“Coloquei uma cadeira na garagem de casa, passou uma menina e achou bonito. Perguntou se eu ensinava e falei que sim. Ela veio algumas vezes na minha casa para aprender e aí começaram a vir outras pessoas que achavam bacana o meu trabalho e também queriam aprender”, conta ela.
Foi assim que teve início a história da ONG Lucianas e Marias, que desde 2015 ensina crochê em postos de saúde, escolas, eventos, associações de moradores e outros locais públicos. Mais de mil pessoas já foram atingidas pela iniciativa, presente atualmente em oito unidades de saúde de Curitiba com aulas fixas de tricô e crochê, além de sempre trazer alguma novidade aos alunos com alguma outra forma de artesanato, geralmente com aulas ofertadas por outros alunos da própria comunidade que já trabalham ou tem a arte como hobby.
“Nosso objetivo é ensinar e também trazer renda para as famílias com esses ensinamentos”, conta Luciana, que no começo chegava a tirar dinheiro do próprio bolso para bancar as aulas que oferecia gratuitamente.
“Comprava todo o material para eu fazer minhas peças e já dividia com todo mundo, porque isso estava trazendo uma espécie de cura para o meu problema psicológico. O dinheiro que antes gastava com remédio, e que estava sendo reduzido, utilizava em material.”
Incentivada pelo marido, passou a tirar fotos do trabalho que fazia com seus alunos e a postar no Facebook. “O grupo estava bem grande e queríamos ajuda, doações. Foi quando foi aparecendo pessoas, o grupo foi aumentando e fomos para outras unidades de saúde, além da UPA do Rio Bonito”, conta.

O melhor remédio para a alma
Para Luciana, o trabalho em equipe, o ato de ensinar e proporcionar alegria a outras pessoas, acabou sendo algo terapêutico. “Quando começou o projeto, eu estava pele e osso, muito deprimida, com crises de pânico constantes. Hoje, falo para as meninas: uma pessoa não consegue atravessar uma enchente se não for segurando a mão do outro”.
Exemplos, inclusive, é o que não faltam. E o diário que ela e suas alunas escrevem, contando o dia a dia das Lucianas e Marias, é uma prova disso.
“Tínhamos uma participante que era sempre a primeira a chegar, arrumar a sala. Mas fazia dois encontros que ela não participava, então decidimos ir na casa dela. Chegando lá, a encontramos totalmente chateada. Estava com problemas familiares, se sentia gordinha e havia escrito uma carta de suicídio. Mas decidiu que não faria isso porque achava que tinha gente no curso esperando por ela, e ela não queria os decepcionar.”

Serviço
ONG Lucianas e Marias

O que é: Uma instituição que oferece diariamente aulas de artesanato gratuitas em postos de saúde, escolas, associações de moradores e outros locais públicos. Atualmente atende em oito unidades de saúde, com aulas fixas de tricô e crochê.
Trabalho voluntário: A ONG precisa de voluntários para atuar nas unidades de saúde que já recebem o projeto, bem como para ampliar a iniciativa. Não exige conhecimento prévio no feitio de artesanato. Para mais informações, entrar em contato com a ONG
Como ajudar: A instituição pede a doação de EVA, cola instantânea, tinta para tecido ou qualquer tipo de tinta, tesouras, agulhas, barbantes, material para bordado, lã e pincéis.
Site: www.facebook.com/lucianasemarias/
Contatos: Pela página do Facebook ou pelo telefone (41) 99616-1505 – falar com a Luciana Cortez

DESTAQUES DOS EDITORES