Publicidade

Orquestra de Bamberg apresenta versões de Beethoven e Mozart

GISLAINE GUTIERRE SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Sob o comando do maestro inglês Jonathan Nott, a Orquestra Sinfônica de Bamberg volta a fazer concertos gratuitos no Ibirapuera. Sábado (21), às 16h, haverá uma apresentação didática, para crianças, no auditório. Domingo (22), às 11h, a récita ocorrerá na área externa do prédio. Na segunda (23) e na terça (24), às 21h, os 115 músicos tocarão na Sala São Paulo. Esta é quinta vez que a orquestra toca em São Paulo, sempre com concertos gratuitos no parque -as anteriores foram em 2003, 2005, 2008 e 2011. Só que agora Nott quer celebrar os 16 anos de "música muito maravilhosa" feita pela orquestra durante esse período, em que foi o maestro titular. Será a sua última turnê internacional, já que irá assumir a Orchestre de La Suisse Romande, em Genebra, além de continuar como diretor musical da Orquestra Sinfônica de Tóquio e consultor artístico da Filarmônica Jovem Alemã. "São Paulo é a cidade mais frequente nas turnês internacionais da Sinfônica de Bamberg. Nós passamos bastante tempo indo à Europa e ao redor do mundo, mas São Paulo é um dos meus lugares favoritos, então a ideia é simplesmente levar uma música fantástica, emocionante e feliz", diz Nott. Nesta passagem por São Paulo, a orquestra apresentará duas sinfonias de Beethoven: a nº 5 e a número 6, "Pastoral". "Ambas são bem conhecidas, mas vamos tocá-las de um jeito que soarão surpreendentes, novas e frescas", afirma Nott. Será a chance de conhecer de perto a identidade sonora que deu fama à Sinfônica de Bamberg. É um som mais denso, profundo. "Acho que a música romântica alemã soa mais forte com esse tipo de som", diz o maestro. Beethoven (1770-1827), vale lembrar, atuou na transição do classicismo para o romantismo. Já com o "Concerto para Clarinete em Fá Maior K 622", de Mozart (1756-1791), Nott quer destacar o trabalho do clarinetista Günther Forstmaier. "Desde que entrei na orquestra ele é um dos nossos solistas. Então escolhi essa música não só por ela ser maravilhosa, mas por ele ser também um músico fantástico", argumenta o maestro. Nesse espírito festivo, entra também o "Concerto para Piano em Fá", que Gershwin (1898-1937) compôs logo depois de um de seus maiores sucessos, "Rhapsody in Blue". O polonês Maciej Pikulski, solista que acabou substituindo o austríaco Rudolf Buchbinder, inicialmente anunciado, diz que vê um tanto de "nostalgia" nessa música. "É uma nostalgia típica dos imigrantes, com muitos sonhos, muito da Rússia", diz Pikulski. A despeito da ideia de que o autor faria mais jazz que clássico, o pianista pondera: "Pra mim, Gershwin compôs esse concerto conhecendo as composições de Debussy, Ravel, Rachmaninoff e Prokofiev, e acredito que sua origem judaica o inspirou como um tipo humanista e de música internacional". PROGRAMAS No concerto didático do sábado, em que a Sinfônica dará explicações sobre os instrumentos e o funcionamento da orquestra, o programa terá apenas a "Sinfonia nº 6, Pastoral", de Beethoven. No domingo, serão executadas duas obras de Mozart: a abertura de "As Bodas de Fígaro" e o "Concerto para Clarinete em Lá Maior K 622", com Günther Forstmaier, além da abertura "Egmont", de Beethoven. O "Concerto para Clarinete" e "As Bodas de Fígaro" voltam a ser executados na segunda (23), mas na companhia da famosa "Sinfonia nº 5", de Beethoven. A última récita, na terça (24), terá "Egmont" e a "Pastoral", e o "Concerto para Piano em Fá", de Gershwin, (1898-1937), com Maciej Pikulski. ORQUESTRA SINFÔNICA DE BAMBERG QUANDO sáb. (21), às 16h; dom., às 11h; seg. (23) e ter. (24), às 21h ONDE sáb. e dom.: Parque Ibirapuera, av. Pedro Álvares Cabral, s/nº, portão 2; seg. e ter.: Sala São Paulo, Praça Júlio Prestes, 16, tel. (11) 3367-9500 QUANTO grátis (sáb. e dom.) - no sábado, cada adulto deve estar acompanhado de pelo menos três crianças e retirar ingressos uma hora antes; de R$ 160 a R$ 500 (seg. e ter.) CLASSIFICAÇÃO livre (no Ibirapuera) e 7 anos (na Sala São Paulo)
Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES