Epidemiológica

Outubro tem semana com o menor número de óbitos por Covid dos últimos meses

Números da Covid no Paraná estão em queda desde a metade do ano
Números da Covid no Paraná estão em queda desde a metade do ano (Foto: Franklin de Freitas)

O mês de outubro começou com o menor número de mortes confirmadas pela Covid-19 no Paraná. A semana epidemiológica 40, a primeira semana de outubro, teve 159 óbitos pela doença em todo o Estado. O número é bem menor que as semanas anteriores, que chegou a ter pico de 1.652, na 11ª semana em março. A semana 39, a última de setembro, teve 265 casos confirmados.

Também é a primeira vez desde o começo do ano que o número de óbitos pela Covid fica na casa de uma centena. Esse cenário tem relação direta com o avanço da vacinação no Estado. Até o dia 8 de outubro, quase nove meses depois da primeira vacina ser aplicada no Estado contra a Covid-19, eram 8.322.493 vacinados com a primeira dose ou com a dose única. O número representa 99,16% da população acima de 18 anos e 66,27% já estão com o esquema vacinal completo.

Ao todo, já eram 14.222.723 de doses aplicadas e registradas na base nacional do Programa Nacional de Imunizações (PNI). “Estamos quase lá. Cada aumento da cobertura vacinal é motivo de comemoração. Uma pequena minoria de menos de 2% que ainda não se vacinou, deve procurar uma unidade de saúde e se vacinar. O avanço da imunização contra a doença reflete diretamente nos índices de infecção e internamento, que estão cada vez mais baixos”, enfatizou o secretário de saúde, Beto Preto.

Vacinas
Na quarta-feira (13), a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) recebeu mais 1.250 doses da AstraZeneca. A nova remessa faz parte da 58ª pauta de distribuição do Ministério da Saúde. Para dar velocidade à campanha de imunização, a Sesa já iniciou a distribuição das doses da Pfizer que chegaram na segunda e do lote recém-chegado ao Estado.

No total, 155.327 vacinas contra a Covid-19 seriam distribuídas ainda ontem para as 22 Regionais. 150.930 são para segundas doses (D2), 3.082 para primeira aplicação (D1) e 1.315 para dose reforço (DR).

Imunizados no País
O Brasil ultrapassou a marca de 100 milhões de pessoas com o ciclo vacinal contra a Covi-19 completo — as duas doses ou a dose única no caso da vacina da Janssen. Apesar da marca, o país não imunizou mais da metade da população, atingindo 47% da população totalmente vacinadas.

No total, foram aplicadas 249,7 milhões de doses na população, sendo que 149,7 milhões receberam a primeira dose, e 100 milhões tiveram a aplicação das duas doses ou dose única.

No quadro internacional, o Brasil ocupa a 62ª posição no ranking de países na vacinação contra a Covid-19 em relação à população de cada nação, segundo a Universidade Johns Hopkins, com sede nos Estados Unidos.

Ministério prepara campanha de 2022 com mais de 354 milhões de doses

O Ministério da Saúde apresentou na semana passada, de forma antecipada, o planejamento da campanha de vacinação contra a Covid-19 de 2022. Com tratativas avançadas para aquisição de novas doses de vacina, o Governo Federal vai disponibilizar à população brasileira mais de 354 milhões de imunizantes em 2022, com um investimento estimado em R$ 11 bilhões.

A Pasta prevê aplicar mais duas doses na população acima de 60 anos, com intervalo de seis meses; mais uma dose de reforço na população até 59 anos; e a possibilidade de ampliar o público-alvo da campanha. A lógica da vacinação em 2022 deixará de seguir o critério de grupos prioritários para considerar a imunização por faixa etária decrescente.

Para isso, serão adquiridas 120 milhões da AstraZeneca e 100 milhões da Pfizer. Outras 134 milhões de doses serão de saldo de contratos de 2021. A escolha pelas vacinas leva em conta o fato de os dois agentes imunizantes terem registro definitivo na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O Ministério adiantou ainda que imunizantes que possuem apenas autorização para uso emergencial não poderão ser usados fora do ambiente pandêmico, referindo-se à possibilidade do estado de pandemia ter fim no ano que vem.