Publicidade
Paulistão

Palmeiras 'bombardeia' Santos, mas 'sorte' e Éverson seguram empate

(Foto: Reprodução/TV)

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Melhores equipes do Campeonato Paulista até aqui, Palmeiras e Santos se enfrentaram noite deste sábado (23), mas não saíram do empate por 0 a 0. O clássico, realizado no Allianz Parque, teve disputas intensas e equilíbrio entre duas equipes bem postadas taticamente, e ficou marcado também pela sorte dos visitantes, que evitaram mais de um gol em cima da linha.

O Palmeiras teve as melhores chances de sair com a vitória. E não foram poucas. Ainda no primeiro tempo, o atacante Borja teve a grande chance de balançar as redes, mas errou carrinho e perdeu o gol. Depois, Copete, Éverson e a trave evitaram que os mandantes abrissem o placar. O Clássico da Saudade ainda proporcionou o reencontro entre Luiz Felipe Scolari e Jorge Sampaoli - os técnicos se enfrentaram na Copa do Mundo de 2014, na partida entre Brasil e Chile.

Enquanto a equipe de Felipão dá sequência ao Paulistão e enfrenta o Ituano na próxima quarta-feira (27) também em seu estádio, o Peixe vira as atenções para a Copa Sul-Americana. O clube decide o futuro na competição na terça (26), no Pacaembu, contra o River Plate-URU. O jogo de ida terminou em empate por 0 a 0.

Esperava-se bastante das duas melhores equipes do Campeonato Paulista até aqui. O que se viu quase até os 30 minutos, porém, foi um jogo travado, de muito estudo e morno. Enquanto os comandados de Felipão tentavam lançamentos longos, o Peixe trocava passes e via um Palmeiras bem postado.

A primeira chance de maior perigo saiu dos pés de Thiago Santos, que pegou sobra e obrigou Éverson a fazer bonita defesa. Depois, as equipes se soltaram e fizeram jogo mais animado.

Os times "acordaram" para a partida e até confusão rolou. O volante santista desarmou o palmeirense, a bola ficou com Moisés, mas o clima esquentou. Thiago Santos e Jean Lucas se estranharam, foram separados pelos companheiros e o camisa 30 do Peixe acabou advertido com cartão amarelo.

O segundo tempo foi superior do para a equipe mandante. Pressionando o rival, o Palmeiras por pouco não chegou ao gol. Além de Copete, que salvou uma bola na linha, o goleiro santista foi decisivo. Em um lance, Gustavo Gómez aproveitou cruzamento na área e cabeceou. A bola pingou no chão, o camisa 22 defendeu e, na sobra, a bola foi para escanteio.

Contratado justamente por saber jogar com os pés, Éverson foi pressionado nos primeiros minutos e acabou errando dois passes seguidos. Primeiro, apertado, o goleiro se livrou da bola e obrigou Gustavo Henrique a correr para pegar passe fraco na lateral do campo. Com a devolução do zagueiro, tentou lançar para Copete, mais à frente, mas a bola saiu.

OS MELHORES

O volante Jean Lucas foi uma grata surpresa nesta noite. Escalado no lugar do suspenso Alison, dominou o meio-campo quando o Santos tinha a bola e deu trabalho aos marcadores palmeirenses com dribles secos e bons passes. No começo da etapa final, apresentou-se na entrada da área e chutou colocado. O lance acabou com um pedido de pênalti pelos visitantes por mão de Gustavo Gómez. Outro que merece destaque pelas defesas foi o goleiro Éverson, que evitou mais de uma vez que o rival chegasse à vitória.

PALMEIRAS

Weverton; Marcos Rocha, Luan (Antônio Carlos), Gustavo Gómez e Victor Luis; Thiago Santos, Moisés (Bruno Henrique) e Raphael Veiga (Ricardo Goulart); Felipe Pires, Dudu e Borja.

T.: Luiz Felipe Scolari.

SANTOS

Éverson; Matheus Ribeiro, Felipe Aguilar, Gustavo Henrique e Copete; Diego Pituca (Carlos Sánchez), Yuri e Jean Lucas; Cueva (Orinho), Rodrygo e Derlis González (Jean Mota).

T.: Jorge Sampaoli.

Árbitro: Flávio Rodrigues de Souza

Assistentes: Alex Ang Ribeiro e Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo

Cartões amarelos: Weverton, Antônio Carlos (Palmeiras); Jean Lucas, Yuri, Cueva (Santos)

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES