Privilégio

Para deputado paranaense, acordo de Temer para aumentar salários de juízes 'cheira mal'

"Rubens Bueno (PPS): \u201cCheira muito mal um presidente investigado por corrup\u00e7\u00e3o negociar com integrantes da mais alta Corte do pa\u00eds a viabiliza\u00e7\u00e3o de um aumento salarial que eles mesmo se concederam\""
"Rubens Bueno (PPS): \u201cCheira muito mal um presidente investigado por corrup\u00e7\u00e3o negociar com integrantes da mais alta Corte do pa\u00eds a viabiliza\u00e7\u00e3o de um aumento salarial que eles mesmo se concederam\"" (Foto: divulgação)

Relator do projeto que corta uma série de “penduricalhos” nos salários de autoridades e funcionários de alto escalão, regulamentando o teto salarial dos servidores públicos hoje fixado em R$ 33,7 mil, o deputado federal Rubens Bueno (PPS) afirmou hoje que é no mínimo estranha a negociação entre o presidente Michel Temer e ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) para garantir o aumento salarial de 16,38% no contracheque dos magistrados.

Foi o próprio Temer que revelou ao Estado de S. Paulo que está negociando esse assunto com o futuro presidente do STF, ministro Dias Toffoli, e com o ministro Luiz Fux, autor de liminar que garante até hoje o pagamento de um auxílio-moradia de R$ 4,7 mil a juízes e integrantes do Ministério Público de todo o país.

“Cheira muito mal um presidente investigado por corrupção negociar com integrantes da mais alta Corte do país a viabilização de um aumento salarial que eles mesmo se concederam. Ainda mais num cenário que o governo alega falta de recursos para os mais básicos investimentos públicos em saúde, educação e segurança. Chega a ser uma irresponsabilidade de ambas as partes”, criticou Bueno.

Para o deputado, parece tratar-se de um "arrumadinho" entre os poderes. “Ameaçado de perder o auxílio-moradia, o Judiciário, agora com a ajuda de Temer, quer se livrar desse penduricalho que engordou seus salários por anos, mas incorporando essa verba ao salário. Em resumo o que está se propondo é o seguinte: Vamos fingir que não burlamos o cumprimento do teto salarial por anos. Incorporamos tudo no salário e pronto, está resolvido”, disse o deputado

Ao Estadão, Temer justificou a medida. “Com isso não será preciso fazer nenhuma alteração no orçamento do Judiciário. As coisas se encaixam perfeitamente”, disse o presidente. O jornal relatou ainda que para que o arranjo se transforme em um projeto de lei, faltam alguns detalhes técnicos e legais. Mas logo, segundo Temer, a proposta será finalizada.

Leia mais no blog Política em Debate.