STJD

Paraná corre risco de perder mando

O Paraná Clube será julgado hoje no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) pelos incidentes ocorridos na partida contra o Ceará, em 7 de junho, na Vila Capanema. Na ocasião, um copo foi arremessado no gramado.

O fato foi relatado na súmula pelo árbitro e, por isso, o clube acabou indiciado no artigo 213 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) — “Deixar de tomar providências capazes de prevenir e reprimir desordens em sua praça de desporto” — que prevê perda de um a dez mandos de campo e multa de R$ 10 mil a R$ 200 mil.

O advogado Itamar Luiz Monteiro Cortes, que defenderá o Paraná hoje, está confiante na absolvição. “O responsável pelo arremesso foi identificado e foi registrado o boletim de ocorrência”, disse. Com esse documento, a probabilidade de punição é remota. O parágrafo 3º do artigo 213 prevê que “a comprovação da identificação e detenção do infrator com apresentação à autoridade policial competente e registro de boletim de ocorrência, na hipótese de lançamento de objeto, exime a entidade de responsabilidade”.

O STJD também julgará hoje o Paraná por atraso na entrada ao gramado, no jogo com o Ceará. O árbitro Fabrício Neves Correa, do Rio Grande do Sul, relatou na súmula que o time retornou ao campo com cinco minutos de atraso. A multa prevista no CBJD é de R$ 1 mil por minuto de atraso.

O zagueiro João Paulo, expulso naquela partida, também será julgado. Ele pegar suspensão de dois a seis jogos. O advogado Itamar Cortes aposta na absolvição, já que o lance da jogada não foi violento e, além disso, João Paulo só acabou expulso por receber o segundo cartão amarelo.



Reforços para o jogo de sexta-feira

O técnico Rogério Perrô poderá contar com as voltas do zagueiro Daniel Marques e do meia-atacante Marcelinho para enfrentar o ABC, sexta-feira, na Vila Capanema. O volante Agenor, que chegou a um acordo com o Brasiliense, também poderá fazer sua estréia nesta partida.