Próximas seis semanas

Paraná e Curitiba têm forte tendência de aumento de casos de síndrome respiratória grave

(Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)

Pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) alertam que, na maioria dos estados brasileiros, os casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) retomam a tendência de crescimento ou se estabilizam em patamares elevados. A análise consta do boletim semanal InfoGripe, divulgado na sexta-feira (4) pela fundação. Segundo o estudo, o Paraná tem pelo menos metade de suas macrorregiões com sinal de crescimento de SRAG, além de alta probabilidade de aumento de casos nas próximas  semanas. Na análise das capitais, Curitiba também está em alerta, porque apresenta forte tendência de crescimento nas próximas semanas. 

O coordenador do InfoGripe, Marcelo Gomes, diz que o cenário pode ser parcialmente atribuído à retomada da circulação da população e pede que a flexibilização das restrições impostas para frear a transmissão do vírus seja reavaliada. Gomes pede cautela com a flexibilização de medidas como o distanciamento para redução da transmissão da covid-19, enquanto a tendência de queda não se mantiver por tempo suficiente para que o número de novos casos atinja átamares significativamente baixos. É preciso também reavaliar as medidas flexibilizadas nos estados”, alerta em texto publicado pela Agência Fiocruz de Notícias.

A incidência de SRAG é considerada uma métrica para acompanhar a pandemia porque a covid-19 é a causa de 96% dos casos da síndrome que foram atribuídos a uma infecção viral e submetidos a testes.

A análise divulgada na sexta é referente à semana de 23 a 29 de maio e revela agravamento na compação com a semana anterior, quando cinco estados apresentavam queda na incidência da síndrome. No boletim divulgado ontem, apenas Roraima manteve a tendência de redução nos casos respiratórios graves. Gomes chama a atenção para o fato de Amazonas, Distrito Federal, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Piauí, Paraná, Rio Grande do Norte, Rondônia, Rio Grande do Sul, São Paulo e Tocantins terem ao menos metade de suas macrorregiões com sinal de crescimento na incidência de SRAG. A análise de longo prazo (seis semanas) indica aponta que a probabilidade de alta nos casos de SRAG passa de 95% no Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Paraná e Rio Grande do Sul.

O mesmo percentual foi constatado em três capitais: Curitiba, Goiânia, Natal e São Paulo. Ao todo, 14 das 27 capitais têm tendência de alta nos casos de SRAG, e somente quatro tendem a apresentar queda: Belo Horizonte, Boa Vista, Recife e Rio de Janeiro.

Entre as oito capitais com estabilidade, o boletim alerta que os casos estão em um platô de alta incidência: Aracaju, Belém, Florianópolis, Macapá, Brasília e arredores, Rio Branco, São Luís e Teresina.

Análise das capitais

O estudo aponta ainda que 13 das 27 capitais apresentam sinal de crescimento na tendência de longo prazo até a semana 21: Campo Grande (MS), Cuiabá (MT), Curitiba (PR), Goiânia (GO), João Pessoa (PB), Maceió (AL), Manaus (AM), Natal (RN), Palmas (TO), Porto Alegre (RS), Porto Velho (RO), Salvador (BA), e São Paulo (SP). Fortaleza (CE) apresenta sinal de crescimento apenas na tendência de curto prazo. Dentre as demais capitais, apenas 4 apresentam sinal de queda na tendência de longo prazo: Belo Horizonte (MG), Boa Vista (RR), Recife (PE), e Rio
de Janeiro (RJ).

Em Curitiba, Goiânia, Natal, e São Paulo observa-se sinal forte de crescimento na tendência de longo prazo. Em Campo Grande, Cuiabá, João Pessoa, Maceió, Manaus, Palmas, Porto Alegre, Porto Velho, e Salvador observa-se sinal moderado de crescimento na tendência de longo prazo até a semana 21. Já em Fortaleza observamos sinal moderado de crescimento apenas na tendência de curto prazo até a semana 21.

Assim como alertado para alguns estados, observamos na presente atualização que 8 capitais apresentam sinal de estabilização nas tendências de longo e curto prazo, indicando interrupção da tendência de queda ou manutenção de platô: Aracaju (SE), Belém (PA), Florianópolis (SC), Macapá (AP), plano piloto de Brasília e arredores (DF), Rio Branco (AC), São Luís (MA), e Teresina (PI).