Combate à Covid-19

Paraná pede UTIs, ventiladores e medicamentos para intubação ao ministro da Saúde

O ministro Eduardo Pazuello e o governador Ratinho Jr: parceria
O ministro Eduardo Pazuello e o governador Ratinho Jr: parceria (Foto: José Fernando Ogura/AN-PR)

O Ministério interino da Saúde Eduardo Pazuello garantiu, nesta quinta-feira (23), que vai ampliar as parcerias com o Governo do Paraná e atender várias demandas encaminhadas para a União pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior, O objetivo é reforçar o enfrentamento da pandemia do novo coronavírus no Estado.

Após reunião com o governador Ratinho Junior no Palácio Iguaçu, o ministro assegurou a renovação da habilitação de 438 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e 35 leitos de UTI pediátrica que estão sendo utilizados pelos hospitais paranaenses em todas as regiões. Esse é o procedimento pelo qual a União passa a custear algumas despesas dessas estruturas.

Ele também se comprometeu a enviar para o Paraná medicamentos anestésicos para intubação dos pacientes em tratamento intensivo por causa da Covid-19. Este é um dos principais problemas no Paraná no combate à Covid-19. Nesta semana o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, disse que esses insumos estavam no fim e pedia ajuda do governo federal para repor os estoques. Estes medicamentos são essenciais para pacientes em estado grave na UTI que necessitam de auxílio de ventilação mecânica.

Outro compromisso é atender, nos próximos meses, um pedido de habilitação de mais 303 leitos de tratamento avançado.

O ministro reconheceu que as medidas adotadas no Paraná estão amparadas por critérios técnicos e mantiveram o Estado dentro de uma evolução controlada. Apesar do crescimento de casos e óbitos registrado nos últimos dias, o Estado mantém taxas de incidência de casos e de óbitos por 100 mil habitantes em patamar estável e baixo em relação aos demais estados.

“O objetivo principal dessa visita foi trocar informações relevantes sobre esse enfrentamento e ajudar os estados”, disse Pazuello.

Pazuello elogia ações no Estado e chama a atenção para o inverno no Sul do País
O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, elogiou a condução das ações de combate à covid-19 pelo governo paranaense e creditou o aumento de casos no estado ao inverno no Sul do País. O Paraná teve, desde o início da pandemia, 61.335 casos confirmados e 1.526 mortes em função da Covid-19 até ontem. A curva de contaminação vem crescendo, especialmente a partir do início de julho.

“É momento mais crítico para doenças respiratórias. O estado e os municípios do Paraná vêm tomando as medidas que podem tomar, mas a curva tende a crescer. Outra coisa é curva de óbitos. Esta última cabe a nós, como vamos dar resposta”, declarou Pazuello que esteve no estado, dando sequência às viagens pelo Sul do país para discutir a situação da pandemia e o apoio do Executivo federal para enfrentamento da situação.

Perguntado sobre o apoio no fornecimento de medicamentos, demanda de vários estados diante nas dificuldades de abastecimento, Pazuello voltou a apresentar as medidas em curso pelo órgão diante da “instabilidade do mercado”. Segundo o ministro, foram adquiridos estoques excedentes juntamente a fabricantes, além de procedimentos de compra.

“Estamos comprando medicamentos no exterior com Opas (Organização Pan-Americana de Saúde), mas estamos em um imbróglio sobre preço, pois está mais alto que nossas tabelas. Compramos lote pelo Uruguai e fizemos distribuição ao Rio Grande do Sul e Santa Catarina, onde estava mais apertado. O que vai resolver o problema é licitação centralizada com participação de estados e capitais, onde o preço vai estar equalizado, já com logística de entrega”, destacou.

Estado passa de 60 mil casos e 1.500 mortes por coronavírus

O Paraná acumula 61.335 casos confirmados e 1.526 mortes em decorrência da Covid-19. Ontem, a Secretaria de Estado da Saúde divulgou 2.066 novos diagnósticos positivos e 59 óbitos pela doença. Até ontem, 1.071 pacientes com diagnóstico confirmado estavam internados. Eram 826 em leitos SUS (379 em UTI e 447 em leitos enfermaria) e 245 em leitos da rede particular (94 em UTI e 151 em enfermaria).

Havia outros 1.111 pacientes internados, 507 em leitos UTI e 604 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão nas redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo vírus Sars-CoV-2. As 59 pessoas que faleceram, relatadas no informativo, estavam internadas. São 31 mulheres e 28 homens, com idades que variam de 31 a 98 anos. Os óbitos ocorreram entre os dias 5 a 23 de julho.

Curitiba — O boletim divulgado pela Secretaria Municipal da Saúde (SMS) registrava ontem 18 novos óbitos de moradores de Curitiba por Covid-19. Com os novos registros, sobe para 422 o número de mortes pela doença. Além dos 422 óbitos confirmados outros 11 estão em investigação

Segundo dados da SMS foram confirmados mais 640 novos casos da covid-19. Até agora 15.704 moradores da cidade testaram positivo para o novo coronavírus. Desse total, 8.341 estão liberados do isolamento e outros 6.941 estão com a doença em fase ativa, ou seja podem transmitir o vírus.

País — Dados do Ministério da Saúde mostram que, dos 2,22 milhões de brasileiros que foram infectados pelo novo coronavírus, 68,6% se recuperaram da doença, 3,7% morreram e 27,7% estão em tratamento. O número acumulado de casos confirmados de Covid-19 no Brasil chega a 2.228.475. Nas últimas 24 horas, foram acrescidas às estatísticas do Ministério da Saúde 59.962 novos diagnósticos positivos da doença.

O país chegou a 84.082 mortes por causa pelo novo coronavírus. De acordo com o balanço do ministério, foram 1.311 óbitos registrados nas últimas 24 horas.