Setor em crise em Curitiba

Paraná registra aumento de até 1.500% na morte de crianças por Covid-19

Hospital Pequeno Príncipe: alerta sobre alta de casos
Hospital Pequeno Príncipe: alerta sobre alta de casos (Foto: Franklin de Freitas)

Na terça-feira passada, o Hospital Pequeno Príncipe, o maior hospital pediátrico do Brasil, divulgou um alerta sobre o número de crianças e adolescentes internados com diagnóstico confirmado de Covid-19. Naquele dia, o hospital bateu o recorde pelo segundo dia consecutivo de hospitalizados. Na segunda-feira eram 22, sendo 7 internados na UTI, e na terça, passaram a 23. Os números foram mais altos desde o início da pandemia em março de 2020. A verdade é que em 2021 as crianças e adolescentes passaram a ser muito mais afetados pela Covid-19 no Paraná.

Levantamento com base nos dados da Secretaria de Estado de Saúde (Sesa) indica que as três faixas etárias de crianças e adolescentes apresentaram alta significativa tanto nos casos confirmados quantos nas mortes causadas por Covid-19 neste ano em comparação a 2020 e 2021 nem mesmo chegou à metade.

A faixa etária entre 0 e 5 anos, por exemplo, apresentou um aumento de 1.500% nos registros de mortes por coronavírus, passando de 1 morte em 2020 para 16 até o dia 11 de junho 2021. Já quanto aos casos confirmados, a faixa etária com maior aumento foi a de 6 a 9 anos, que passou de 4.639 contaminados para 10.898, um crescimento de 134,92%.

Os casos confirmados entre 0 e 5 anos passaram de 8.190 durante todo o ano passado para 14.821 de janeiro a 11 de junho, um aumento de 80,96%. De acordo com a Sesa, em 2021, 27. 857 crianças e adolescentes entre 10 e 19 anos foram contaminados pela Covid, enquanto neste ano, o número de infectados já é de 59.943, um crescimento de 111.95%.

Em 2020, nenhuma criança de 6 a 9 anos morreu por Covid-19 no Paraná e em 2021, uma morte foi registrada até agora. Já entre aqueles com idade entre 10 e 19 anos, no ano passado foram registrados 18 óbitos por coranavírus e neste ano já são 38.

No Pequeno Príncipe, só nos cinco primeiros meses de 2021, a instituição confirmou 599 casos, com 105 internações e seis óbitos. Já de março a dezembro de 2020, o Hospital registrou 331 diagnósticos positivos, com 84 internações e cinco óbitos. Os dados revelam que 23% dos pacientes que chegaram com suspeita da doença ao Hospital, entre janeiro e maio de 2021, tiveram o diagnóstico positivo confirmado. No ano passado, esse índice era de 20%. Já as internações, em números absolutos, subiram de 84 em 2020 para 105 em 2021. Em junho, só nos sete primeiros dias, 20 pacientes já foram internados. Na última terça-feira, dia 8, o Pequeno Príncipe contava com 28 crianças (de zero a 2 anos) e adolescentes.

“O perfil é de criança de mais baixa idade e adolescentes com comorbidades, que ainda não frequenta atividades escolares. Um dos fatores que pode estar aumentando a quantidade de casos de COVID nesta faixa pode estar associado a idade dos pais, que varia de 30 a 50 anos. Hoje, esta é a faixa etária que mais desponta como principal contaminada e, também, o fato de nós começarmos a ter cepas diferentes circulando à medida que a gente demora um pouco mais para vacinar a população”, explica o infectologista pediátrico Victor Horácio.

Os números da pandemia entre crianças e jovens no Paraná
 
 Mortes 2020 2021* Aumento
0 a 5 anos  1 16 1500%
6 a 9 anos  0 1 -
10 a 19 anos  18 38 111%
 Casos  2020 2021*  Aumento
0 a 5 anos  8.190 14.821 80,96%
6 a 9 anos    4.639 10.898 134,92%
10 a 19 anos   27.857 59.043 111.95%
*dados até 11/06

Estudo indica que no Brasil pessoas com menos de 20 anos morrem mais que em outros países

Um estudo realizado pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais e publicado na The Lancet revela que no Brasil pessoas com menos de 20 anos morrem sete vezes mais de Covid-19 do que em países desenvolvidos. Por aqui, 7,5% de crianças e adolescentes que se infectaram com a Covid-19 morreram; no Reino Unido, esse índice é cerca de 1%. As análises por idade ainda revelaram que os adolescentes entre 12 a 19 anos e as crianças menores de 2 anos têm mais risco de morrer pela doença. Para chegar aos resultados, pesquisadores avaliaram os casos de mais de 11 mil pacientes por meio de dados do Sistema de Informação da Vigilância Epidemiológica da Gripe.

De acordo com a pesquisa, as regiões Norte e Nordeste do país têm as maiores taxas de mortalidade entre a faixa etária entre aqueles que contraíram o novo coronavírus. As menores taxas, em contrapartida, estão no Sudeste.

“Existe um déficit no nosso país em relação à atenção. Algumas regiões são desprovidas de determinados recursos. O acesso, quando a criança precisa de ventilação mecânica, vaga em UTI, algumas regiões têm restrição em relação a isso. Então a gente viu que, realmente, isso impacta em uma taxa de óbito mais elevada mesmo’, explica. ‘As regiões mais pobres tendem a ter um percentual em torno de três vezes maior do que as outras regiões”, disse a professora da Faculdade de Medicina da UFMG, Ana Cristina Simões e Silva, à CBN Brasil.

Paraná confirma mais 2.329 casos e 49 mortes; espera por um leito em hospital tem 1.057 pacientes

Secretaria de Estado da Saúde divulgou neste domingo (13) mais 2.329 casos confirmados e 49 mortes pela Covid-19 no Paraná. Os números são referentes aos meses ou semanas anteriores e não representam a notificação das últimas 24 horas. Os dados acumulados do monitoramento da doença mostram que o Estado soma 1.143.636 casos confirmados e 27.976 óbitos.

O informe relata que 2.671 pacientes com diagnóstico confirmado estavam internados. São 2.037 pacientes em leitos SUS (944 em UTI e 1.093 em enfermaria) e 634 em leitos da rede particular (323 em UTI e 311 em enfermaria).

Havia outros 3.237 pacientes internados, 1.185 em leitos UTI e 2.052 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estavam na rede pública e rede particular e eram considerados casos suspeitos.

No boletim de sábado foram confirmados mais 4.571 casos confirmados e 165 mortes pela Covid-19 no Paraná.

Fila de espera — Até o sábado, 1.057 pessoas aguardavam uma vaga em leito UTI ou de enfermagem para Covid no Estado. Destes, 161 aguardavam um leito UTI na Região Metropolitana de Curitiba e 312 um leito de enfermagem.

Curitiba — Curitiba não divulga boletim aos domingos. Os números de sábado traziam 859 novos casos de covid-19 e 22 óbitos de moradores da cidade infectados pelo novo coronavírus.

Até o momento foram contabilizadas 5.734 mortes e c om os novos casos confirmados, 225.734 moradores de Curitiba testaram positivo para a covid-19 desde o início da pandemia.

Brasil — O boletim do Ministério da Saúde confirmou, ontem, mais 37.948 casos de Covid-19 e 1.129 óbitos pela doença. O total de casos foi para 17.412.766 e o de mortes para 487.401. A letalidade segue em 2,8%. Neste ritmo, o Brasil deve chegar a 500 mil mortes pela Covid até o fim do mês.