Publicidade
REPERCUSSÃO

Parlamentares do PR criticam Bolsonaro por apoio a protesto

Alvaro (Pode): “Não concordo”
Alvaro (Pode): “Não concordo” (Foto: Franklin de Freitas)

O compartilhamento pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de vídeos de divulgação de um ato em apoio ao governo e em protesto contra o Congresso marcado para o próximo dia 15 repercutiu entre os parlamentares da bancada federal do Paraná. A maioria criticou a atitude de Bolsonaro, apontando que ele estaria ajudando a insuflar a população contra o Legislativo. Alguns aliados do presidente minimizaram o ato de Bolsonaro, defendendo as manifestações e negando que o protesto tenha caráter antidemocrático.

A manifestação – que já havia sido marcada anteriormente – ganhou novos contornos depois que o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, foi flagrado acusando o Congresso de chantagear a atual administração federal, ao ameaçar derrubar um veto do presidente à destinação de R$ 30 bilhões do Orçamento de 2020 para emendas parlamentares. “Convocar um ato contra o Congresso é um atentado ao povo, à democracia e à Constituição brasileira. É algo gravíssimo e com precedentes apenas no período sombrio da ditadura”, comentou o deputado federal e ex-prefeito de Curitiba, Luciano Ducci (PSB). “Se confirmado, inédito da parte de um presidente e um caminho de confronto sem precedentes”, avaliou o deputado federal e também ex-prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT).

O líder do PT, deputado Ênio Verri afirmou que é inadmissível que o presidente Bolsonaro defenda manifestação pedindo o fechamento do Congresso. “Ao convocar manifestação pedindo o fechamento do Congresso Nacional, Bolsonaro não deixa mais dúvidas quanto ao caráter autoritário e ditatorial”, disse.

O senador Alvaro Dias (Podemos) afirmou ser favorável à manutenção do veto do presidente, mas afirmou ser contrário a protestos contra o Congresso como instituição. “Não concordo com essa mobilização contra o Congresso. Acho que tem que ter uma pressão contra os parlamentares que não cumprem o seu dever. E preservar o Congresso Nacional”, defendeu.

WhatsApp - Aliado de Bolsonaro, o deputado Filipe Barros (PSL) foi um dos poucos a sair em defesa do presidente. “Para barrar as mudanças promovidas pelo presidente mais popular da história querem fabricar impeachment com base em mensagem de zap. A nova esquerda não perde a chance de passar vergonha”, criticou ele.

Também aliado de Bolsonaro, o deputado federal Paulo Eduardo Martins (PSC), não chegou a defender, nem criticou o presidente, mas se disse contra o fechamento do Congresso. “Isso já ocorreu algumas vezes e a situação só piorou. O Congresso é instrumento da população e esta não pode abrir mão deste instrumento por causa de membros que não correspondem”, afirmou o parlamentar.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES