Publicidade
Meio ambiente

Passeio Público vira sala de aula pela proteção de papagaios

Passeio Público vira sala de aula pela proteção de papagaios
Policiais militares que atuam na Força Verde fazem treinamento com profissionais da Prefeitura de Curitiba no Passeio Publico de Curitiba (Foto: Daniel Castellano / SMCS)

O Passeio Público virou sala de aula na tarde desta sexta-feira (20). O local foi escolhido como cenário da atividade prática do programa Papagaios do Brasil, uma iniciativa do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) com a Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS), e que conta com o patrocínio da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza.

O objetivo do programa é combater a segunda maior ameaça às espécies, que é sua comercialização ilegal.

Cerca de 60 agentes de fiscalização de todas as companhias do Batalhão Ambiental da Polícia Militar do Paraná estiveram presentes. “Eles estão aqui depois de uma manhã de aula teórica para aprender sobre a diferenciação das espécies e o seu manejo”, contou a analista ambiental do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Aves Silvestres do ICMBio, Patrícia Serafini.

A escolha do Passeio Público como local da aula prática, segundo ela, deve-se à existência das principais espécies a serem trabalhadas – chauá, charão, cara-roxa e peito-roxo – e de a Secretaria Municipal do Meio Ambiente contar com profissionais especialistas no assunto. Entre eles, o mais renomado do país, o ornitólogo Pedro Scherer. O veterinário Manoel Javorouski, que tem mais de 20 anos de experiência no Passeio Público, também ministrou a capacitação.

Para o tenente Ulisses de Deus Gomes, a troca de informações é fundamental para o trabalho de fiscalização. “Nós, como força policial, atuamos diretamente no crime. Essa visão sobre a conservação e o manejo vem reforçar o conhecimento dos policiais e melhorar a atuação nas ruas”, disse.

A capacitação faz parte do Plano de Ação Nacional para Conservação dos Papagaios do Brasil, coordenada por Patrícia e pela coordenadora de projetos da SPVS, Elenise Sipinski.

DESTAQUES DOS EDITORES