Publicidade
Série B

Pastana defende Louzer e coloca o Coritiba no topo de dois rankings

Rodrigo Pastana
Rodrigo Pastana (Foto: Geraldo Bubniak)

O diretor de futebol do Coritiba, Rodrigo Pastana, defendeu o trabalho do técnico Umberto Louzer, durante entrevista coletiva nessa quarta-feira (dia 26), no CT da Graciosa. “Certeza que ele permanece. Nós confiamos no trabalho do Umberto”, disse. “Não é paciência, é crédito pelo trabalho apresentado até agora”, afirmou.

Ao defender o desempenho da equipe, Pastana colocou o Coritiba no topo de dois rankings da Série B. “Acho que o time ficou devendo, mas se a gente for ver estatisticamente, fomos o time que mais criou chances de gol e o segundo mais ofensivo”, declarou.

Durante a coletiva, o diretor também falou sobre o ambiente de trabalho, a rescisão contratual com o zagueiro Alan Costa, as situações do zagueiro Alex Alves e do lateral-esquerdo William Matheus, o relacionamento com o G5 (grupo dos cinco principais dirigentes do Coxa), a possibilidade de contratações e as finanças do clube.

Veja as respostas de Pastana durante a coletiva dessa quarta-feira:

AMBIENTE DE TRABALHO
“O nosso ambiente de trabalho é muito bom, sempre foi, independente da saída do Alan Costa. Antes mesmo do ato que culminou na rescisão. Queria dizer que é um belo profissional e nunca tivemos nenhum problema. Infelizmente foi um ato intempestivo. Ele sabe que errou, mas o ato em si culminou na rescisão dele, pois o ambiente não ficaria legal.A rescisão foi em comum acordo. Ele não é mais atleta do Coritiba”.

APOIO DO G5
“Sobre o G5, tenho plena convicção que eles confiam no nosso trabalho. Eles acompanham diariamente o que é feito, tanto dentro quanto fora das quatro linhas”.

WILLIAM MATHEUS E ALEX ALVES
“Os dois estão nos planos do Umberto. O Alex Alves está fazendo uma readaptação de condicionamento. Teve várias sondagens para sair. Talvez esteja encaminhando para um empréstimo para outro clube”.

APOIO DA TORCIDA
“O G5 teve duas ideias que foram grandiosas para o semestre: a contratação do Rafinha e a manutenção da promoção (de ingressos). Nosso maior reforço está nas arquibancadas. Motivacionalmente para o atleta é muito bom”.

SE PERDER DUAS O TÉCNICO SERÁ DEMITIDO?
“Certeza que ele permanece. Nós confiamos no trabalho do Umberto. A gente não trabalha com o ‘se’ dentro da nossa realidade. Vemos o que ele tem evoluído no trabalho em si e estamos bem satisfeitos”.

IMPACIÊNCIA DE PASTANA COM TÉCNICOS EM OUTROS CLUBES
“Procuro sempre a manutenção do treinador. O grande pecado do futebol brasileiro se encontrar em um momento tão difícil é a falta de manutenção dos trabalhos. No nosso caso, a gente tinha uma série de coisas, de protocolos para serem alterados. Coisas de anos anteriores. Não é uma crítica, apenas uma constatação. A gente vem fazendo todas essas alterações e o maior tempo de treinamento é agora. A gente acredita no trabalho do Umberto. Não é paciência, é crédito pelo trabalho apresentado até agora”.

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO CORITIBA NA SÉRIE B
“Acho que o time ficou devendo, mas se a gente for ver estatisticamente, fomos o time que mais criou chances de gol e o segundo mais ofensivo. Perdemos algumas chances notórias de pontuação maior, como pênaltis e chances criadas. O time vai evoluir, principalmente por esse tempo e por alterações que foram feitas”.

REFORÇOS
“Um time da grandeza do Coritiba nunca pode se fechar a novas oportunidades. É um momento de dificuldade para contratações, pois muitos atletas já cumpriram as seis partidas na Série B e os valores dos que estão na Série A não condizem com o nosso patamar financeiro. Tem a situação de adaptação também. Tudo isso é colocado na mesa em todas as reuniões para discutir reforços. É claro que há possibilidade, mas hoje não é concreta. Não fechamos nenhum atleta”.

BUSCAR CONTRATAÇÕES NO EXTERIOR
“Difícil trazer do mercado externo. Adaptação é difícil. Adaptação ao modelo de jogo, ao clima. E o nosso calendário é complicado. Essa possibilidade é remota”.

SITUAÇÃO FINANCEIRA
“A preocupação financeira fica em segundo plano. Quando cheguei tinham 25 contratos vigentes. Emprestamos alguns e diminuímos o orçamento. Com outros, fizemos rescisão amigável. Eu sabia de tudo isso quando cheguei, então não tenho direito de reclamar. O patamar financeiro do Coritiba na Série B, mesmo não sendo suficiente pela grandeza do Coritiba, é maior do que os outros. É eficaz para que a gente forme um bom elenco. A situação finaiceira é sólida. Nenhum pagamento está atrasado. Pelo contrário. E, na estrutura, fizemos algumas mudanças. Melhoramos a academia e a fisioterapia. Os campos foram melhorados durante a parada. Tudo que temos solicitado a diretoria tem atendido”.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias