Publicidade
Não é só hábitos errados

Pele ressecada: descubra quais as principais causas do problema e como tratá-lo

(Foto: Divulgação)

A pele oleosa é o tipo de pele mais comum entre a população brasileira. Porém, isso não quer dizer que o ressecamento da pele não seja um problema por aqui. Na verdade, é algo muito rotineiro e que afeta boa parte das pessoas, até mesmo aquelas que possuem a pele oleosa. “Caracterizada por um desequilíbrio na quantidade de água presente na epiderme, a camada mais superficial do tecido cutâneo, o ressecamento da pele pode ser causado por uma série de fatores relacionados ao lugar em que a pessoa vive e a sua rotina, podendo então afetar homens e mulheres igualmente, mas tendo uma tendência maior a atingir idosos devido a diminuição da produção de óleos que ocorre com o avanço da idade”, afirma o dermatologista Jardis Volpe, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Academia Americana de Dermatologia.

Afetando principalmente regiões como rosto, mãos, braços e a parte inferior das pernas, uma das principais causas da pele ressecada, por exemplo, é o hábito de tomar banhos prolongados com água muito quente. Isso por que a água quente facilita a remoção da camada de gordura que protege a pele e é responsável por manter a água no tecido.

O problema ainda piora quando associado ao uso de certos tipos de sabonete, já que estes agem desengordurando a pele, favorecendo então a remoção da camada protetora do tecido. “O clima frio também é um fator que contribui para o ressecamento da pele, pois a umidade do ar também cai junto com as temperaturas, o que faz com que a pele perca mais água para o ambiente. E mesmo durante os dias quentes precisamos tomar cuidado, já que a exposição constante ao ar condicionado também pode ressecar a pele”, alerta o dermatologista. “Em alguns casos, a pele ressecada também pode ser sinal de que algo está errado com seu organismo, já que algumas doenças, como dermatite atópica, psoríase, diabetes e hipertireoidismo, podem prejudicar a saúde de sua pele, causando ressecamento e descamação.”

Mas então o que deve ser feito para resolver o problema?

Segundo o  Jardis, o primeiro passo é descobrir o que está causando o ressecamento da pele. Se banhos quentes forem a causa, o ideal é passar a tomar banhos mais curtos e com a temperatura da água mais próxima da temperatura da nossa pele, ou seja, entre 35 e 36 graus. Já com relação ao uso dos sabonetes, o ideal para quem já possui a pele muito seca é usar o produto apenas nas axilas, nádegas e área genital.

Mas para aqueles que não abrem mão do produto a opção é utilizar um sabonete líquido, que tende a ser mais delicado, ou sabonetes que contenham ativos hidratantes em sua formulação e que possuam uma concentração menor de detergentes. “Em ambos os casos, e também quando o ressecamento é causado por fatores climáticos, é fundamental o uso de um bom hidratante, que deve ser escolhido de acordo com o seu tipo de pele e contar com ativos que promovam alta hidratação do tecido, como Hyaxel, ácido lático e ureia. O ideal é aplicar o produto logo após o banho, com a pele ainda úmida, para que seja melhor absorvido pelo tecido”, recomenda. “Por fim, em situações em que o ressecamento da pele é causado por doenças mais sérias o mais importante é que você consulte um dermatologista. Apenas ele poderá realizar uma avaliação de sua pele e indicar o que está causando o problema, recomendando então o melhor tratamento para cada caso.”

Jardis Volpe, dermatologista; Diretor Clínico da Clínica Volpe (São Paulo). Formado pela Universidade de São Paulo (USP); Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia; Membro da Sociedade Americana de Laser, da SBD e da Academia Americana de Dermatologia; Pós-graduação em Dermatocosmiatria pela FMABC; Atualização em Laser pela Harvard Medical School. www.clinicavolpe.com.br

DESTAQUES DOS EDITORES