Incrédulos

Pesquisa mostra que 7,5% dos paranaenses ainda não acreditam na vacina contra a Covid

(Foto: Geraldo Bubniak/AN-PR)

A pedido do Unidos Pela Vacina (UPV), a Paraná Pesquisa fez um levantamento de dados por meio de entrevistas pessoais telefônicas com 1.080 habitantes com 16 anos ou mais em 60 municípios do Paraná durante os dias 29 a 31 de março de 2021. A amostra apontou que, das pessoas ainda não vacinadas, 7,5% afirmam que não pretendem se vacinar, sendo que a maior porcentagem é de homens (11,2%) e de faixa etária que varia entre 16 e 24 anos (11%).

Para o presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia, Clóvis Arns, isso acende um sinal de alerta. “A imunização é a única maneira totalmente eficaz de acabarmos com o vírus. Por isso, o ideal é que toda a população seja vacinada, dessa forma cuidando da própria saúde e também da sociedade como um todo”, explica o especialista.

Ele também fala sobre a mudança no perfil de infectados. “No início da pandemia, os idosos eram os mais acometidos pela doença, porém, atualmente, vemos que o quadro mudou e que os mais jovens são os mais afetados pelo coronavírus. Com a imunização da terceira idade fluindo, mas ainda demorando para avançar, pode ser que esse cenário seja ampliado. Por isso, além da importância de tomar, sim, vacina, também precisamos que o processo de imunização seja mais rápido”, ressalta Arns.

A pesquisa também apontou que 57,7% dos entrevistados consideram que a velocidade da vacinação no Brasil está baixa, 32,9% média, 7,0% alta e 2,4% não sabe ou não opinou.

Importância da conscientização

Ainda não existe uma legislação que obrigue as pessoas a se vacinarem, embora o Supremo Tribunal Federal tenha alegado, em dezembro de 2020, que os estados podem tornar a vacina obrigatória. Apesar disso, os grupos que reforçam a importância da imunização, acreditam que a conscientização é parte fundamental para que mais pessoas aceitem tomar as doses.

É o caso do Unidos Pela Vacina, movimento apartidário da sociedade civil, que une empresários de todas as cidades brasileiras e poder público, e tem o propósito de tornar viável vacinar todos os brasileiros contra a Covid-19 até setembro de 2021. Regina Arns é uma das representantes do UPV no Paraná, ao lado de Artur Grynbaum - vice-presidente do Conselho do Grupo Boticário, e conta que um dos objetivos determinados é justamente a conscientização.

“Nós queremos ampliar as informações sobre a imunização para que as pessoas se sintam seguras com as vacinas disponibilizadas e, principalmente, que tenham vontade de estarem livres do vírus. Por isso, um dos propósitos da UPV é potencializar a comunicação a fim de deixa-la mais transparente e concreta para toda a sociedade, combater as fake news e convencer a população do seu papel como cidadão ao tomar vacina”, diz Regina.