Pesquisa e inovação

Pesquisadores da UTFPR desenvolvem túnel de desinfecção para fronteiras e indústrias

(Foto: Divulgação UTFPR)

Um túnel de desinfecção com ozônio úmido está em fase final de desenvolvimento na Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), em Curitiba. A iniciativa está na fase final e, após ser aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), poderá ser usada como medida de combate à Covid-19 nas fronteiras e indústrias do Brasil. O projeto é desenvolvido com apoio do Ministério de Defesa e patrocinado pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), que investiu cerca de R$ 250 mil na pesquisa científica.

Segundo o representante do Ministério da Defesa, Luiz Antônio Duizit, após a aprovação da Anvisa, o túnel deverá ser instalado nas regiões de fronteira do país, como na Ponte Internacional da Amizade, no Paraguai, e na Ponte Internacional da Fraternidade, na Argentina, que ligam os países a Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná. O objetivo da Fiep com a pesquisa é, a princípio, utilizar o túnel nas indústrias do Paraná, que geram cerca de 760 mil empregos e onde ocorre uma significativa aglomeração de pessoas. Por isso, a federação busca inovar na pandemia, com iniciativas que diminuam o impacto sanitário no setor. Na sequência, o projeto será disponibilizado nacionalmente.

De acordo com o professor Rubens Alexandre de Faria, o principal diferencial do túnel será a forma de desinfecção, que está sendo testada cientificamente desde abril de 2020. O protótipo utiliza ozônio em gotículas de água. Ele explicou que as cabines que estão sendo utilizadas em várias cidades do país, desinfectam o espaço, normalmente, com quatro tipos de produtos químicos, como água sanitária, que podem ser prejudiciais à saúde de quem passa pela estrutura. O trabalho dos pesquisadores da UTFPR foi adaptar a ideia das cabines tradicionais do Brasil e de túneis similares aos usados em países estrangeiros.