Operação Crassa

PF faz buscas também no Paraná contra exploração ilegal de diamantes

(Foto: PF)

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta, 24, a Operação Crassa para desarticular uma organização criminosa dedicada à exploração e ao comércio ilegais de diamantes extraídos ilegalmente da Terra Indígena Roosevelt, em Rondônia. Cerca de 150 agentes cumprem 53 mandados de busca e apreensão no Distrito Federal e em sete Estados: Rondônia, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraná, Piauí, Roraima, São Paulo. As ordens foram expedidas pela 3ª Vara Criminal de Rondônia, que determinou ainda o sequestro de imóveis dos investigados. No Paraná, segundo a PF, foram cumpridos dois mandados em Maringá e Cambé.

As apurações tiveram início em 2018 após a prisão em flagrante de três pessoas com diversos diamantes. O grupo havia ido de São Paulo a Rondônia para comprar as pedras, segundo concluiu a investigação. Na ocasião, o trio admitiu que os diamantes eram da Reserva Roosevelt, diz a corporação.

"Durante as investigações houve êxito na identificação do esquema criminoso que conta com a participação de garimpeiros, lideranças indígenas, financiadores do garimpo, avaliadores, comerciantes e intermediadores que estabelecem a conexão entre os fornecedores e o mercado consumidor nacional e internacional", informou, em nota, a PF.

A 'Crassa' mira crimes de organização criminosa, usurpação de bens da União e lavagem de dinheiro. O nome da operação remete ao estado bruto dos diamantes.

Os investigadores apontaram no início das investigações foi identificada a referência 'Bruto' ao lado dos contatos relacionados a garimpeiros e intermediários do comércio ilegal do mineral na agenda dos indivíduos presos em flagrante.