Publicidade

Planejado como cinema, teatro faz 15 anos retocado

Foram nove meses na reforma de um espaço teatral que havia nascido para ser cinema. Inaugurado em 2004, o número de poltronas do Teatro Vivo continua o mesmo: 274 lugares. No meio da antiga plateia, o corredor, comum nas salas de cinema, não existe mais, com a nova reformulação do teatro.

As poltronas também ganharam numeração em Braille. Aliás, a acessibilidade envolveu outras ações na reforma. Para os artistas, agora são três camarins, antes eram dois e um deles recebeu a instalação de plataforma elevatória sob as escadas. Há novas cabines técnicas e salas de audiodescrição, com equipamento próprio.

"Diante dessas possibilidades, podemos incluir na programação sessões com libras e audiodescrição com mais qualidade", conta o curador, André Acioli. Como apoio, o teatro agora possui local para armazenamento de cenários e uma sala para receber convidados e imprensa.

No interior do teatro, há melhorias na pressão sonora e a instalação de um sistema de controle automatizado importado para iluminação, som e demais partes técnicas.

Do lado de fora, a mudança foi mais radical. A antiga cantina deu espaço para um novo café-bar, que pretende abrigar o público que trabalha na região do bairro do Morumbi enquanto aguarda o espetáculo começar.

"Queremos que o teatro seja uma continuidade do dia da plateia, que sai do trabalho e vem até aqui para assistir a um espetáculo", afirma o CEO da Vivo, Christian Gebara. No foyer, salas multiuso poderão abrigar eventos eternos como palestras, debates, encontro com a plateia, lançamentos e exposições.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES