Violência

Polícia investiga agressões a crianças em escola particular no Água Verde

(Foto: Divulgação)

O Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente (Nucria) investiga uma denúncia de agressão a crianças em um Centro de Educação Infantil particular no bairro Água Verde, em Curitiba. Segundo informações da Polícia Civil, o boletim de ocorrência foi registrado na segunda-feira (1) e até o final da manhã  desta terça (2), cinco pessoas já tinham sido ouvidas e outras serão intimadas. Há suspeita de agressão por parte da diretora e proprietária da escola. O nome da escola não pode ser divulgado. De acordo com a assessoria da Polícia, por envolver crianças o caso segue em segredo de Justiça. A escola estava fechada nesta terça.

Segundo informações apuradas pela reportagem do Bem Paraná, a denúncia teria partido de três professoras e confirmada por pais.  A polícia já estaria com vídeos que comprovariam as agressões. Em um dos vídeos, a suspeita tapa a boca de uma criança até ela desmaiar. Em outro, ela bate no rosto de duas crianças. Os vídeos foram divulgados nos grupos de pais das escolas. Novas informações não param chegar à Nucria.

A escola atendia cerca de 75 crianças de quatro meses a 5 anos e funcionava há cerca de 20 anos. A empresa contratou o advogado Helio da Silva Chin Lemos, que deve divulgar um posicionamento da escola nesta quarta (3).  A diretora suspeita foi afastadas das funções. 

Nota Sinepe

O Sindicato das Escolas Particulares do Paraná (SINEPE) encaminhou uma nota em que afirma que "orienta seus associados sobre a legislação, promove eventos que buscam trazer para os gestores conhecimento de questões educacionais, legais etc, mas que situações como esta são CASO DE POLÍCIA. É claro que o SINEPE nunca vai apoiar ou tomar qualquer atitude que seja conivente a esse tipo de situação, mas, como dito, ocorrência policial deve ser tratada pela polícia e pelas autoridades competentes. Até por que sequer sabermos o que aconteceu, não temos como fazer juízo de valores sobre a escola, mas, diante das denúncias, ela que responda às autoridades, nos termos da lei", diz a nota.

Aos pais, o Sinepe orienta "que os pais sempre busquem referências das escolas antes de fazer matrícula e, depois, que sempre estejam próximos da escola e seus dirigentes, comparecendo às reuniões e frequentando o ambiente institucional o mais reiteradamente possível, para que se crie confiança entre o aluno, escola e os pais."

Nota de esclarecimento 

"A escola Cimdy tem um histórico de mais de duas décadas comprometido com e educação e a formação de centenas de indivíduos.
O respeito e a confiança sempre pautaram as relações entre instituição, pais e alunos. Uma condição validada por alunos, ex-alunos e pessoas que se envolveram com a instituição de ensino em todos esses anos.
A denúncia não define a conduta e a atuação da escola, a qualidade de seu histórico, nem a credibilidade de toda a equipe de profissionais que nela ou com ela trabalham.
Os responsáveis pela escola estão à disposição das autoridades públicas para prestar todos os esclarecimentos necessários e se dedicam para, acima de tudo, preservar os alunos e conceder segurança no relacionamento com os pais e prestadores de serviços envolvidos com a instituição.
Cimdy Educação Infantil"