Mercado ilegal

Por causa das peças de bronze, cemitérios viram alvo de ladrões

Cemit\u00e9rios de Curitiba viram o alvo da vez
Cemit\u00e9rios de Curitiba viram o alvo da vez (Foto: Daniel Castellano / SMCS)

Policiais militares prenderam em flagrante, ontem, dois homens suspeitos de terem furtado peças de lápides em túmulos em um cemitério de Curitiba. Foi o nono flagrante apenas neste ano feito por policiais ou por guaras municipais. O furto normalmente são de peças de bronze, comuns nos túmulos, e que tem valor no mercado ilegal. Segundo a polícia, o quilo pode chegar a R$ 11.
Um dia antes, na segunda-feira, uma mulher foi detida pela Guarda Municipal. Ela estava com uma mochila cheia de peças de bronze furtadas do Cemitério Água Verde.
“Temos feito prisões recorrentes nos cemitérios municipais e arredores porque, infelizmente, ainda tem gente que tenta furtar esse tipo de material”, conta o diretor da Guarda Municipal, Odgar Nunes Cardoso. A última prisão ocorreu na semana passada, também no Cemitério do Água Verde.
No Cemitério Municipal São Francisco de Paula, a Guarda também prendeu um homem no dia 12 de junho. Ele tinha nove placas grandes de bronze que haviam sido furtados minutos antes da abordagem da Guarda. O homem foi flagrado no momento em que tentava retirar a décima peça de um túmulo no Cemitério Municipal. Cada placa varia de R$ 180 a R$ 500, em média. 
Uma semana antes, um suspeito foi detido pela Guarda Municipal no cemitério do bairro Água Verde com cinco placas de bronze, facas, alicate e talhadeira. Quinze dias antes, outra ocorrência da mesma natureza foi registrada no cemitério do Boqueirão. Lá, um homem de 40 anos tentava sair do local com mais de 40 peças retiradas dos túmulos.