Ritmo lento

Pouco mais de 100 cidades do Paraná já iniciaram vacinação de gestantes, puérperas e pacientes com comorbidades

(Foto: Franklin de Freitas)

Nova pesquisa da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), feita entre os dias 3 a 6 de maio de 2021, em 332 das 399  cidades do Paraná, mostra que até a semana passada apenas 36,1% dos municípios tinham iniciado a vacinação das gestantes e puérperas contra a Covid-19, ou seja, 120. Já quanto aos pacientes com comorbidades, o índice é um pouco menor: 109 cidades ou seja, 32,8%, já tinham começado a imunização no grupo.

Segundo a pesquisa, 30,1% das 332 cidades do Paraná, ou seja 100, ouvidas pela Confederação afirmaram que ficaram sem vacinas para a aplicação da segunda dose. Na semana que passou, a maioria das cidades pesquisadas no Paraná recebeu doses do imunizante Astrazeneca da Fiocruz (63,2%), ou seja 278 cidades. Outros 130 municípios (29,5%) receberam vacina Coronavc. A Pfizer chegou apenas a seis cidades (1,4%), de acordo com a sondagem da confederação.

Maioria das cidades do Paraná não tem previsão de retorno às aulas na rede municipal

Apenas 39 cidades do Paraná (11,7%) retomaram as aulas presencias nas redes municipais de ensino. Outras 83 cidades (25%) disseram que as aulas não retomaram, mas já há previsão de data. A maioria, 208 (62,7%), diz que não há previsão para retorno. Sobre protocolos de segurança para retomada de aulas, os prefeitos de 162 cidades responderam que não será obrigatória a testagem periódica para Covid-19 na retomada das aulas.

Apesar da redução de internações no Paraná, há risco iminente de hospitais ficarem sem kit entubação em 13,3% das prefeituras do Paraná. Já 7,8% das prefeituras de cidades paranaenses que responderam a pesquisa afirmaram que há risco de faltar oxigênio nos hospitais e no Centro Covids..

Como é feita a pesquisa

A Confederação Nacional de Municípios (CNM), a partir do lançamento do “Observatório da Covid-19 nos Municípios do Brasil”, realiza pesquisas diretamente junto aos prefeitos com a periodicidade semanal a fim de acompanhar os temas e os assuntos que mais preocupam os gestores e, assim, seja possível informar a sociedade acerca do que está acontecendo no Brasil em relação ao enfrentamento da pandemia. As pesquisas são realizadas pela própria CNM, por meio de seu call center, que possui contato com os gestores municipais de todo o país. Dessa forma, os resultados apresentados podem se constituir em um bom cenário da situação em todas as regiões do país.

Para esta sétima edição, foram escolhidos temas que estavam em evidência nesta semana: falta de oxigênio nas unidades de saúde; insumos farmacológicos que compõem o “Kit Intubação”; recebimento de vacinas; grupos de prioridade da vacinação e retomada das aulas. O período de coleta dos dados foi de 3 a 6 de maio de 2021. a amostra se manteve nas médias anteriores, os resultados apresentados indicam uma tendência nacional.