Publicidade
No Rio de Janeiro

Premiê de Israel provoca fila no Cristo, é vaiado e cancela visita turística

Wilson Witzel e Benjamin Netanyahu no Cristo Redentor
Wilson Witzel e Benjamin Netanyahu no Cristo Redentor (Foto: Reprodução / Twitter de Wilson Witzel)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, teve frustrada a visita que faria ao Cristo Redentor neste domingo (30). O premiê não desembarcou do carro em razão da lotação no ponto turístico e teve a comitiva vaiada na saída.
A comitiva do israelense chegou por volta das 18h à base do monumento, local de embarque e desembarque para quem sobe e desce pelas vans credenciadas. O local estava lotado de turistas que aguardavam os meios de transporte para sair da atração. 
Com a chegada do chefe de governo, as vans pararam de subir para buscar os passageiros, formando uma fila ainda maior. Sua mulher, Sara, desceu com o filho e fez uma visita de 15 minutos ao Cristo. Netanyahu permaneceu no veículo por razões de segurança.
Enquanto ela conhecia o local, a fila aumentava. Ao descer, foi alvo dos apupos dos turistas e gritos de "ih, fora!" até os carros da comitiva deixarem o local. A cena foi acompanhada por dom Orani Tempesta, arcebispo do Rio de Janeiro, que acompanhava a comitiva.
Pela manhã, Netanyahu foi ao Pão de Açúcar, também acompanhado de Sara,além do governador eleito do Rio, Wilson WItzel (PSC), da futura primeira-dama Helena WItzel e membros do futuro governo fluminense. 
No sábado (29), Netanyahu já havia aproveitado a cidade. Foi ao mirante do Leme, jogou futebol na praia e tomou caipirinha. 
O israelense veio ao Brasil na sexta-feira (28) a convite do presidente eleito Jair Bolsonaro para sua posse, na próxima terça-feira (1º). É o primeiro premiê de Israel em exercício no Brasil.
Durante o encontro com Bolsonaro nesta sexta, Netanyahu disse que "Israel é Terra Prometida e o Brasil é a terra da promessa". Em uma sinagoga no Rio de Janeiro, chamou o presidente eleito de "mito".
A visita sela um movimento de aproximação que já vinha desde a campanha de Bolsonaro. O presidente eleito prometeu transferir a embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém.
Neste domingo, o israelense afirmou em encontro com a comunidade judaica que Bolsonaro lhe disse que a mudança não era uma "questão de 'se', mas 'quando'".
A mudança do local da embaixada é polêmica porque os palestinos reivindicam que Jerusalém Oriental seja a capital de seu futuro Estado - a cidade também é sagrada para os muçulmanos.  
Convidado por Netanyahu, Bolsonaro disse que pretende visitar Israel até março. O governo israelense espera conseguir apoio do Brasil para explorar reservas de gás natural no Mediterrâneo.
Israel tem ainda interesse de abrir no Brasil mercado para tecnologias ligadas ao fornecimento de água, ao agronegócio e para segurança pública.

DESTAQUES DOS EDITORES