Presidente do Guarani fala em 'equívoco', mas admite falha em fiscalizar elenco

O Guarani foi goleado por 4 a 0 pelo Cuiabá, na quinta-feira, e viu suas chances de acesso diminuírem na Série B do Campeonato Brasileiro. Diante de um surto de covid-19 no elenco, o clube paulista teve apenas 13 jogadores na Arena Pantanal, em Cuiabá, pela 35.ª rodada. O presidente Ricardo Miguel Moisés criticou a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) pela manutenção da partida.

"Eu acho que após o jogo fica mais fácil falar e ficou claro que os atletas do Guarani não tinham condições de realizar o jogo. Mas acredito que houve um equívoco e que se fosse reanalisado, seria adiado para o dia 27 conforme a solicitação do Guarani", opinou o mandatário em entrevista coletiva nesta sexta-feira.

O protocolo da CBF garante a realização da partida desde que o time tenha 13 jogadores. O Guarani pediu o adiamento do jogo para o dia 27, mas a entidade informou que só poderia adiar até esta sexta-feira. Diante disso, o clube de Campinas (SP) enviou mais um atleta para Cuiabá e, com 13 atletas, entrou em campo.

"Nessa parte, o protocolo tem uma interpretação dúbia. O Guarani tinha 13 atletas aptos, porém um estava em Campinas. E tinha apenas 12 na concentração em Cuiabá. Então vale aí uma reavaliação também do protocolo para esclarecer esse ponto, onde o ideal seria, eu acredito, que mais do que 13 porque 13 a gente já viu que não são suficientes. Mas 13 atletas aptos no local da partida e não de atletas inscritos como consta hoje no protocolo", disse Ricardo Moisés.

O presidente do Guarani também admitiu falha no controle sobre os próprios jogadores. Dispensados para curtir as festas de fim de ano, os atletas não tiveram vigilância e o surto surgiu justamente no período pós-Natal e Ano Novo.

"A gente tem uma ideia de como isso começou. A gente foi para São Luís, no Maranhão, fazer o jogo contra o Sampaio Corrêa, no dia 23, e o retorno seria no dia 24, com a chegada dos atletas por volta das 22 horas, na véspera de Natal. Diante dessa situação, a gente optou por dar descanso para os atletas no dia 25 e reapresentação no dia 26", explicou.

"Alguns atletas partiram direto de São Luís para as suas residências em outros estados e a gente acredita que, a partir daí, começou o surto de covid no Guarani. Eles retornaram, fizeram a reapresentação no dia 26, trabalhando para o jogo no dia 2, e o exame foi realizado no dia 30, onde a gente teve os primeiros casos de covid aqui dentro do Guarani", finalizou Ricardo Moisés.

A goleada derrubou o Guarani para o nono lugar com 48 pontos, a quatro do G4. Na quarta-feira que vem, às 16 horas, o Guarani receberá o ameaçado Vitória, no estádio Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas, pela 36.ª e antepenúltima rodada.