Nota de repúdio

Presidente do Sinclapol classifica delegado suspeito de duplo feminicídio como 'cruel e calculista'

(Foto: Reprodução )

O Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado do Paraná (Sinclapol) emitiu na tarde desta quinta (5) uma nota de pesar e repúdio contra o duplo feminício cometido contra escrivã de polícia Maritza Guimarães de Souza, tinha 41 anos, e a filha dela Ana Carolina de Souza, 16 anos. O crime foi cometido pelo delegado Eric Bussetti, preso em flagrante na noite de quarta (4). Na nota, o presidente do Sinclapol, Kamil Samen, classifica o delegado como `algoz cruel e calculista` e promete acompanhar o processo para que haja uma justa punição.

Velório de mãe e filha acontece a partir desta noite de quinta; enterro será em Piraí do Sul

Inconformado com separação, delegado se cala após matar mulher e enteada com 4 tiros

"Nossa irmã de armas e sua filha foram mortas com tamanha covardia e frieza que espanta qualquer ser humano. As verdadeiras vítimas foram ceifadas de suas vidas na madrugada de hoje e morreram abraçadas em sinal de misericórdia, diante de um algoz cruel e calculista. Um homem que pela profissão que exerce, Delegado de Polícia, deveria proteger a sociedade. Mas em contrapartida, assassina brutalmente duas mulheres indefesas", diz a nota, assinada por Salmen. Além de manifestar indignação e revolta, o presidente ainda diz na nota que o Sinclapol acompanhará o processo para que haja justa punição para o crime e apoio aos familiares.
"Na semana que comemoramos o Dia Internacional da Mulher nos deparamos com a realidade de muitas mulheres. Até quando a brutalidade contra a mulher será tolerada? Isso não pode mais ser suportado", diz a nota.

Leia mais no blog Plantão de Polícia