Cores

Projeto Circuito Muchas Minas transforma paredes e fachadas de Curitiba

(Foto: Divulgação)

Em tempos de grande apreensão por conta da pandemia e seus impactos, o projeto Circuito Muchas Minas vai estimular o sentimento contrário: acrescentar arte e cultura a cidade. Até o final de setembro a iniciativa vai transformar paredes e fachadas de quatro edificações do centro da cidade em cinco telas para mulheres artistas locais fazerem suas intervenções.

Para a gerente de cultura do Sistena FIEP Anna Zétola, “nesse momento em que vivemos trancados em casa em nossas ilhas de teletrabalho, a proposta é trazer um brilho no olho, um lugar para contemplar e sentir a arte com toda a segurança que os protocolos sanitários contra COVID exigem, mas na rua a céu aberto. Esse projeto promove o acesso a arte na rua, permitindo as pessoas contemplar num ambiente aberto, livre, extremamente democrático, o artista direto com seu público sem intermediações.”

Muito mais que uma ação decorativa, o projeto centra-se nas 17 ODS – Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, pautados pela ONU para cumprimento da Agenda 2030, do Pacto Global. Com o Circuito, os temas das ODS são levados à comunidade local de forma vibrante e com fácil entendimento.

Segundo a gerente executiva de projetos institucionais do Sistema FIEP, Maria Christina Rocha, “a cultura é a chave para o desenvolvimento sustentável, sendo que por trás de cada ODS existem várias manifestações culturais. A cultura, por exemplo, tem um importante papel na redução das desigualdades por meio de ações que promovam a diversidade e pluralidade.”

A ideia é implementada pelo Sesi Cultura Paraná, conta com o apoio da Secretaria Municipal de Educação e das Tintas Vergínia, com realização de Giusy de Luca e Michele Micheleto, da Mucha Tinta Produções Culturais para a frente de trabalho Muchas Minas. Os espaços foram escolhidos em parceria com a Secretaria Municipal de Educação por terem grande circulação de pessoas, em especial, jovens e crianças, que estão em formação de seu repertório intelectual e cultural. Em cada espaço, será possível contribuir com um ODS diferente:

Na Escola Municipal Caramuru, no Cabral, a artista Cris Pagnoncelli cria com base na Temática do ODS 13 - ação contra a mudança no clima. Já na Escola Municipal Mirazinha Braga, no Bom Retiro, a artista Carol Lemes desenvolve obra referente à temática do ODS 11 - Cidades e comunidades sustentáveis. Na Casa Heitor Stockler de França, que fica no centro de Curitiba, as artistas Luciana Gnoato e Marie Balbinot criam com base no ODS 5 - igualdade de gênero e ODS 2 - Fome Zero. Por fim, na Escola Municipal Batel, a artista Bruna Pereira faz sua intervenção com base na temática da ODS 1 - erradicação da pobreza. Os espaços selecionados tem dimensões que variam de 20 a 40 metros quadrados.

A escolha de artistas mulheres não é um acaso. A articuladora e artista Carol Lemes sugeriu enaltecer o papel das mulheres na arte de rua, que é uma das propostas do Muchas Minas, realizadora do projeto. O Circuito será registrado pela video maker Luana Muniz em vídeo, ao final das intervenções.

A ação confere novas oportunidades para artistas e planta a semente para iniciativas semelhantes a essa, que estão sendo idealizadas entre as produtoras culturais e o Sesi Cultura.

SERVIÇO:
Circuito Muchas Minas – Sesi Cultura
• Escola Municipal Mirazinha Braga (Bom Retiro) - artista Carol Lemes – a finalizar
• Casa Heitor Stockler de França, com a artista Marie Balbinot - finalizado
• Casa Heitor Stockler de França, com a artista Luciana Gnoato - finalizado
• Escola Municipal Caramuru (Cabral) – artista Cris Pagnoncelli – finalizado
• Escola Municipal Batel - artista Bruna Pereira - finalizado