Covid-19

Queda de números pode indicar estabilização da pandemia em Curitiba

(Foto: Reprodução)

Na live desta sexta (21), quando foram divulgados mais 297 novos casos e 18 óbitos de moradores de Curitiba infectados pelo novo coronavírus e o painel da semana, a secretária municipal de Saúde, Huçulak e a médica infectologista Marion Burger, reforçaram que a cidade registra uma queda no número de casos, mortes e casos ativos,o que revela uma possível estabilização da doença. Porém, apesar dos números, é preciso que cidadãos mantenham o distanciamento social e as medidas de higiene, principalmente os idosos, maiores vítimas da doença. "A gente está visualizando realmente uma queda no número de casos novos, que vem se confirmando nos últimos dias. A gente está naquela estabilidade, diariamente temos acrescentado cada vez menos casos novos e a gente fica feliz com isso. E sabemos que os óbitos ainda são reflexo dessa infecção adquirida lá, duas ou três semanas atrás, entre essas pessoas que faleceram hoje”, disse Marion. Já Márcia lembrou que o número de casos ativos que chegaram a quase 8 mil diários, nesta sexta (21) estavam em 4.393: "O índice de propagação está em 0,87, uma vtória da população que tem tomado aos cuidados e que deve continuar assim, principalmente nos dias de frio".

A secretária ressaltou que a situação dos leitos para Covid-19 está tranquila. Inclusive nesta sexta (21) estava em 83%, um dos menores índices dos últimos dois meses. Todos os pacientes que internam com quadro de síndrome respiratória aguda grave vão para os leitos exclusivos covid-19 e não apenas os casos confirmados da doença. Há 61 leitos de UTI do SUS livres em hospitais de Curitiba. "Ninguém ficou sem leito, sem cuidado, sem tratamento. Nós ativamos os leitos necessários e conforme a pandemia diminuir, podemos desativar". Márcia também informou que a partir da semana que vem, as lives passarão de diárias para as terças e sextas: 'Entendemos que a sociedade compreendeu nossa mensagem está tomando so cuidados. E temos muitas coisas a fazer". 

Bandeira amarela

A secretária de saúde confirmou a bandeira amarela e garantiu que os índices usados para definir as restrições por conta da pandemia em Curitiba são  seguros e lamentou as críticas que foram feitas à mudança: "Nós usamos essa metodologia usa nove indicadores, validado e usado em vários estados. Fiquei muito chateada porque aqui (na secretaria de Saúde) a gente não brinca. Essas ilações são um desrespeito à equipe formada por funcionários de carreira".

A decisão do Município de Curitiba de mudar a “bandeira” que sinaliza os riscos relacionados à pandemia de Covid-19, de laranja para amarela, levou o Ministério Público do Paraná, por meio da Promotoria de Justiça de Proteção à Saúde Pública da capital, a ajuizar na última  quarta (19)  ação civil pública contra a Administração Municipal. Considerando a classificação adotada em Curitiba inadequada tecnicamente para o momento, o MPPR requer na ação seja determinado que o Município de Curitiba, enquanto durar o estado de emergência de saúde pública decorrente da pandemia, oriente-se, paute-se e execute posturas a partir de matriz de risco adequada à prevenção e ao enfrentamento da Covid-19.

O fim de semana será mais movimentado em Curitiba, afinal a bandeira amarela liberou a abertura do comércio e dos supermercados, inclusive domingo. A feira do Largo da Ordem também retorna no domingo (23), ainda que com metade dos feirantes. Veja aqui como ficaram as regras com a bandeira amarela.