Preparação

Ramiro prevê Corinthians melhor e bem diferente daquele antes da pandemia

Ramiro prevê um Corinthians bem diferente daquele antes da pandemia, dono de uma campanha pífia no Campeonato Paulista (duas vitórias, cinco empates e três derrotas) e eliminado precocemente da Copa Libertadores. Em entrevista por videoconferência, nesta quinta-feira, direto do CT Joaquim Grava, o volante revelou cobranças internas para que a atitude dentro de campo seja diferente para quando a bola voltar a rolar.

"Padrão e estilo de jogo não vão mudar, a linha é essa, é o que o Tiago (Nunes, treinador) vê como ideal. Mas, obviamente, dentro disso, a gente vai tentar aprimorar coisas que não vínhamos fazendo tão bem. Se a gente quer mudança, quer brigar, a gente tem que mudar, sim", disse o jogador, que garantiu estar 95% pronto para jogar, após passar por um tratamento de recuperação de uma lesão no ligamento medial do joelho direito desde o início de fevereiro.

"Procurei treinar, trabalhar a parte muscular para não perder, mas óbvio que o treino de bola difícil. Estou 95% pronto e os outros 5% vão vir essa semana, no CT. Até a semana que vem eu já estarei 100% fisicamente e com a lesão 100% recuperada."

O atleta, de 27 anos, disse que o tempo de confinamento foi utilizado pelo grupo para reuniões. "A gente teve conversas coletivas, teve conversas mais setorizadas, sempre com muita liberdade para os jogadores, para trocar ideias, falar o que pensa, e partir desse retorno temos de aproveitar para fazer o que achamos ideal."

O Corinthians realizou nesta quinta-feira o segundo dia de treino com bola desde a retomada das atividades. Tiago Nunes organizou um trabalho de enfrentamento de pequenos grupos em que dois times de quatro atletas se enfrentavam.

No início das atividades, o preparador físico Michel Huff orientou um treinamento físico de membros superiores e inferiores, como parte do aquecimento e do aprimoramento do condicionamento do grupo.

Já em outro campo, os goleiros Cássio, Walter, Guilherme Castellani e Matheus Donelli trabalharam junto dos preparadores Marcelo Carpes e Luiz Fernando dos Santos. Os defensores aprimoraram saída de jogo com os pés, quedas laterais e saídas do gol.

"Estamos muito felizes em poder retornar e rever amigos. É uma situação difícil, mas voltamos a trabalhar e fazer o que gostamos. Ficamos mais de três meses parados, mas o convívio diário e a retomada de uma rotina nos dá ânimo", disse o capitão Cássio.

Já o recém-contratado atacante Jô seguiu em trabalho no laboratório de biomecânica, sob supervisão do fisioterapeuta Luciano Rosa, antes de se juntar ao grupo no gramado.

O jogadores corintianos realizam mais uma sessão de treinamentos nesta sexta-feira pela parte da manhã.