Nós pelos Oceanos

Rede colaborativa da UFPR lança desafio em defesa dos oceanos

(Foto: UFPR)

Pesquisadores do Centro de Estudos do Mar da Universidade Federal do Paraná se uniram em torno de uma missão: atar nós entre sociedade, oceano e o desenvolvimento sustentável. O projeto “Nós pelos Oceanos” foi lançado no último sábado, por uma rede colaborativa que reúne alunos e professores do Programa de Pós-Graduação em Sistemas Costeiros e Oceânicos (PGSISCO). A iniciativa promove um desafio que começa a partir desta segunda (1), nas redes sociais.

As informações estão sendo publicadas no perfil do Instagram @nospelosoceanos. O objetivo é destacar a importância do oceano, sensibilizando a sociedade quanto ao desenvolvimento sustentável de recursos marinhos e para a manutenção de um oceano saudável. A divulgação das ciências do mar em linguagem acessível é um dos pilares da iniciativa, que também está ligada à “Década do Oceano”, da Organização das Nações Unidas, prevista para durar de 2021 a 2030.

O desafio dos 30 dias pelo Oceano foi lançado nesta segunda, também pelo Instagram, em inglês e português. A ideia é estimular os usuários a compartilharem imagens, músicas, reportagens e atitudes que podem prejudicar o Oceano. Por meio da hashtag #nospelosoceanos, os participantes também devem desafiar seus amigos, marcarem páginas que discutem o assunto e até fazerem ou citarem poemas relacionados à temática.

Confira o desafio e participe pela página @nospelosoceanos. Clique e amplie

A Década dos Oceanos começou a ser divulgada pela ONU em 2017, com o objetivo de “ampliar a cooperação internacional em pesquisa para promover a preservação dos oceanos e a gestão dos recursos naturais de zonas costeiras”. À época do lançamento, a diretora-geral da agência da ONU, Audrey Azoulay, lembrou que há lacunas no conhecimento sobre o mar, e que os oceanos são importantes reguladores do clima.

Além disso, o projeto também se conecta à agenda 2030 da ONU, um plano de ação com objetivos para o desenvolvimento sustentável no mundo. A vida na água é um dos pilares do movimento.