Publicidade
Mercado

Renan Lodi, do Athletico, não deve mais ir para o Atlético de Madri

Renan Lodi
Renan Lodi (Foto: Valquir Aureliano)

O lateral Renan Lodi, do Athletico, não deve mais ir para o Atlético de Madri. Nesta terça-feira (18), o clube espanhol teria desistido da contratação, segundo reportagem do jornal ‘Mundo Deportivo’, da Espanha.

O jornal listou dois motivos para o Atlético de Madri ter desistido. O primeiro seria uma discordância de algumas exigências feitas pelo Athletico Paranaense. As exigências não foram especificadas. Para negociar o atleta, especula-se que o clube paranaense exija uma compensação mínima de 20 milhões de euros (R$ 90 milhões). O clube espanhol teria fixado a oferta em 18 milhões de euros (R$ 81 milhões).

O segundo motivo seria a entrada do Lyon, da França, na jogada. O interesse surgiu após a venda do lateral Ferlan Mendy para Real Madrid, por 48 milhões de euros (R$ 216 milhões). O brasileiro de 21 anos, então, passou a ser uma das prioridades da equipe francesa. O ‘Mundo Deportivo’ destaca que o Lyon tem maior poderio financeiro.

Outros gigantes do futebol europeu, como Real Madrid e Juventus, observaram recentemente Renan Lodi. A permanência do lateral no CT do Caju com a abertura da janela de transferências europeia é considerada praticamente impossível. O próprio Athletico tem interesse em uma negociação também. Com contrato renovado até 2022, Lodi carrega multa rescisória de 40 milhões de euros (R$ 171 milhões) para o exterior.

Renan Lodi corre risco de sair sem uma partida de despedida. Ele não joga desde 30 de maio, quando enfrentou o River Plate, pela Recopa Sul-Americana. Por ter disputado essa partida, ele não foi para o Torneio de Toulon com a seleção brasileira sub-23. Só que não foi desconvocado pela CBF. Ou seja, só seria liberado para jogar depois que o Brasil disputasse a competição – que se encerrou no último domingo. Nesse meio-tempo, ele não pode defender o Athletico em X partidas no Brasileirão e na Copa do Brasil. Agora, só tem perspectiva de jogar com o retorno do Brasileirão, em 14 de julho. Mas corre risco de ser negociado antes disso.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES