Publicidade
Utilitário esportivo

Renault lança o paranaense Captur

É notório o grande gosto do brasileiros pelos utilitários esportivos (SUV), pois é o segmento com maior crescimento, um dos poucos, no mercado. A Renault quer ser referencia em SUV e anunciou três modelos para este ano. O grande Koleos que chegará em breve importado, e fabricados em S~~ao José dos Pinhais o pequeno Kwind, substituindo o Clio e o recém lançado Captur que chegou em duas versões de acabamento e motorização (Zen 1.6 e Intense 2.0), posicionado um degrau acima do conhecido Duster, se distanciando do irmão mais velho pelo design e nível de equipamentos.

O Captur produzido no Paraná usa a mesma plataforma do Duster, o que lhe garante maior espaço interno e porta-malas. Em termos visuais, o Captur quer se destacar entre os SUVs com LEDs para condução diurna nos faróis e opção de pintura em dois tons (teto em cor diferente da carroceria), além das lanternas traseiras de LEDs e das rodas aro 173 . Serão oferecidas 13 combinações de cores, incluindo 9 combinações em biton. O teto pode ser preto ou marfim. A carroceria pode ser preta, branca, marrom, laranja, marfim, vermelha, prata ou cinza. Por dentro, o modelo também poderá receber acabamento em duas tonalidades na versão mais cara.


Como diferenciais em relação à concorrência, a Renault destaca os maiores ângulos de entrada e saída (23 e 31 graus, respectivamente) e o ponto H (altura do quadril do motorista) mais alto da categoria, com 708 mm. O Captur brasileiro mede 4,33 metros de comprimento por 1,81 m de largura e 1,62 m de altura, com entreeixos de 2,67 m. O vão livre do solo é de 212 mm. E o porta-malas de 437 litros está entre os maiores do segmento.
A versão Zen vem equipada com o recém-lançado motor 1.6 16V SCe, em configuração de 118/120 cv de potência e 16,2 kgfm de torque, aliado exclusivamente ao câmbio manual de cinco marchas. Acelera de 0 a 100 km/h em 11,9 segundos e chega à máxima de 169 km/h, com consumo médio de 7,6 km/l na cidade e 8 km/l na estrada (etanol). Com gasolina, esses números passam a 10,9 km/l e 11,3 km/l, respectivamente, segundo dados do Inmetro.
Já a versão Intense traz o conhecido 2.0 16V de 143/148 cv de potência e 20,2/20,9 kgfm de torque, este somente com o antigo câmbio automático de quatro marchas – um tanto defasado diante dos CVTs e dos automáticos de seis marchas da concorrência. Chega aos 100 km/h em 11,1 segundos e atinge máxima de 179 km/h, com consumo de 6,2 km/l na cidade e 7,3 km/l na estrada, com etanol. Com gasolina, registra 8,8 e 10,8 km/l, nesta ordem.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES