Publicidade
IBGE

Renda do paranaense aumentou em 2017, mostra pesquisa do IBGE

Renda do paranaense aumentou em 2017, mostra pesquisa do IBGE
Comércio do Calçadão da Avenida XV de Novembro (Foto: Felipe Rosa/ACP/Arquivo ANPr)

Enquanto a renda do brasileiro caiu, a do paranaense teve aumento em 2017. O rendimento médio per capita domiciliar mensal ficou em R$ 1.476 – superior em 2,2% ao registrado em 2016 (R$ 1.444) no Paraná. No Brasil, o rendimento médio em 2017 foi de R$ 1.271 - valor 1,1% menor do que no ano anterior (R$ 1.285).

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O rendimento per capita domiciliar inclui todas as rendas recebidas, do trabalho, da previdência e de aplicações e investimentos. A variação apurada pelo instituto é real, já descontada a inflação no período.

“A crise econômica e a retração no mercado de trabalho nos últimos anos fizeram encolher a renda do brasileiro. Mas no Paraná a situação é melhor, com uma recuperação mais acelerada da crise econômica”, diz Julio Suzuki, diretor-presidente do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes).

OUTROS ESTADOS

De acordo Suzuki Junior, o fato de a economia estadual ter crescido mais do que a do Brasil no ano passado fez diferença no bolso da população. Em 2017, o Produto Interno Bruto (PIB) do Paraná teve avanço de 2,5%, contra 1% da economia brasileira. O Paraná também aumentou a diferença de renda com o restante do País. Em média, o paranaense ganhava 16,1% mais do que a média do País em 2017. No ano anterior, essa diferença era menor, de 12,4%.

DESIGUALDADE

O levantamento também revela uma condição melhor do Paraná quando o assunto é desigualdade. A massa de rendimentos no Paraná no ano passado foi de R$ 16,69 bilhões. Desses, a parcela dos 10% mais ricos respondeu por 38,9%. Os 10% mais pobres participaram com 1,3%.

No Brasil, a desigualdade entre mais ricos e mais pobres é maior. Do total de R$ 263,08 bilhões da massa de rendimentos mensais no País, os 10% mais ricos detinham, no ano passado, 43,3%. Os 10% mais pobres ficaram com uma parcela de apenas 0,7% desse total.

“Ainda que essa desigualdade não seja desejável, ela é menor no Paraná, o que mostra uma condição de renda mais favorável aqui do que em outras partes do Brasil”, diz Suzuki Júnior. Também houve redução da participação dos 1% mais ricos na massa de rendimentos no Paraná – de 10,4% para 10,1%.

DESTAQUES DOS EDITORES