Mercado da bola

Revelado pelo Coritiba, Mosquito é apresentado como reforço no Corinthians

Mosquito \u00e9 apresentado como refor\u00e7o no Facebook do Corinthians
Mosquito \u00e9 apresentado como refor\u00e7o no Facebook do Corinthians (Foto: Reprodução/Facebook)

O atacante Mosquito, 20 anos, foi apresentado nessa segunda-feira (dia 8) como reforço do Corinthians. Ele assinou contrato até 2022. No clube paulista, foi apresentado com o nome de Gustavo Silva.

O jogador foi revelado na base do Coritiba. Acabou como artilheiro do Campeonato Brasileiro Sub-20 de 2017 com nove gols.

Promovido ao profissional do Coxa no início de 2018, o atleta não aceitou renovar vínculo. O contrato dele com o clube alviverde acabava em setembro. Ainda no início do ano, Mosquito entrou com ação na Justiça do Trabalho tentando a rescisão do contrato, alegando atrasos nos depósitos do FGTS. Perdeu a causa e ficou encostado, sem jogar, desde o início do ano.

Agora, o Coritiba fica apenas com a parcela referente ao mecanismo de solidariedade da Fifa, que chega no máximo a 5% do valor da transferência. Por esse dispositivo, o clube formador recebe essa porcentagem toda vez que o jogador é vendido. A porcentagem dos clubes formadores é divida desta forma: dos 12 aos 15 anos, as equipes garantem 0,25% por ano e dos 16 aos 23 anos, as equipes ficam com 0,5% do valor. Ou seja, chega no máximo a 5%.

Segundo o blog da jornalista Nadja Mauad, o Coritiba apresentou no início de 2018 a proposta de renovação com Monsquito com multa rescisória de R$ 80 milhões para transferências dentro do Brasil e de 30 milhões de euros para o Exterior. Depois, o Coxa concordou em baixar o valor para R$ 20 milhões. A diretoria propôs três anos de contrato, com salários de R$ 30 mil no primeiro ano, R$ 40 mil no segundo e R$ 50 mil no terceiro. Já os empresários queriam multa de R$ 3 milhões.

Mosquito participou da pré-temporada do Coritiba em Foz do Iguaçu, em janeiro, e treinou como titular nos primeiros trabalhos. Em seguida, porém, a diretoria avisou que jogadores com problemas contratuais não poderiam ser escalados.