TEA

Saúde realiza oficina para aprimorar atendimento do autismo no Estado

(Foto: Reprodução)

Com objetivo de aprimorar e qualificar o atendimento dos profissionais da saúde voltados às pessoas com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA), a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), por meio da Diretoria de Atenção e Vigilância em Saúde/Divisão de Saúde da Pessoa com Deficiência, promoveu nesta semana, de forma online e presencial, na Escola de Saúde Pública (ESPP), uma oficina utilizando a Análise do Comportamento Aplicada (ABA) - terapia reconhecida internacionalmente com evidências científicas no tratamento do autismo que ajuda a ampliar a capacidade de comunicação e o relacionamento com a sociedade.

O tratamento da pessoa com TEA no Sistema Único de Saúde (SUS) pode ser realizado em diferentes abordagens que visam melhorar a compreensão das características centrais do autismo, como dificuldades sociais, comunicação, limitações nas brincadeiras e interesses, controle de raiva, condutas agressivas, entre outras.

Em 2021 em parceria com o Florida Institute of Tecnologie - referência no tratamento do autismo - a Sesa já garantiu a certificação a 135 profissionais do SUS, em 19 regiões do Estado, que realizaram o curso de capacitação para uso da terapia ABA.

“A Sesa sabe da importância de um bom atendimento de saúde e o impacto disso na vida das pessoas, manter esses profissionais que já receberam a certificação permanentemente atualizados e engajados na assistência faz toda a diferença, tanto ao paciente que precisa desse olhar diferenciado, quanto aos seus familiares”, disse o secretário de Saúde, Beto Preto.

A Sesa está investindo cada vez mais na Linha de Cuidado a Pessoa com Deficiência, essa oficina permite que os profissionais estejam em constante atualização.

“Queremos construir a partir desse momento, um protocolo de avaliação do atendimento e Análise do Comportamento Aplicado (ABA). Esse aperfeiçoamento dos profissionais que atendem TEA é imprescindível para melhorar a qualidade de vida dos pacientes”, disse a Diretora de Atenção e Vigilância em Saúde da Sesa, Maria Goretti David Lopes.