Publicidade
Política em debate

Secretário complementa salário

(Foto: PSD/Câmara dos Deputados)

A nomeação do secretário Sandro Alex, da secretaria de Infraestrutura e Logística do Paraná (Seil), para integrar a Junta Administrativa de Recursos de Infrações (Jari), como membro representante do Departamento de Estradas e Rodagem do Estado (DER) no grupo, foi publicada no Diário Oficial do dia 9 de maio. O cargo vai complementar o salário de Sandro Alex, que já ganha R$ 23.634,10 como secretário. Ele passará a receber também um valor que giraria em torno do R$ 3,6 mil. O dado não está disponível no Portal da Transparência. A assessoria do DER não informou o valor. Um integrante da Jari do DER deve participar de uma reunião por semana no órgão. Em nota, a Seil informou que Sandro Alex, como secretário, é automaticamente nomeado para a Jari do DER. “A Secretaria de Infraestrutura e Logística esclarece que o secretário participa de conselhos afins já que é membro nato”, diz em nota. A assessoria também não informou quais outros cargos em conselhos o secretário ocupa. No Portal da Transparência, aparece apenas o salário de secretário.

Sem rótulo
Dos 33 representantes do Paraná no Congresso Nacional – 30 deputados e 3 senadores – 14 participaram de uma reunião ontem com integrantes de universidades, para debater o corte de 30% no orçamento descentralizado das instituições federais de ensino pelo governo federal. Embora não tenham participado da reunião, os três deputados petistas, Gleisi Hoffmann, Ênio Verri e Zeca Dirceu, são notórios opositores aos cortes nas universidades. A presença dos petistas teria sido evitada para não fomentar o ataque à educação pública superior por bolsonaristas que tentam rotular a as universidades públicas como “de esquerda”. A intenção da reitoria da UFPR é justamente articular com deputados de centro que possam ajudar no embate com o governo federal.

Apoio
A reunião foi no gabinete do reitor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Ricardo Marcelo Fonseca. Os parlamentares presentes se comprometeram lutar em Brasília pela reversão da medida que pode afetar o funcionamento da UFPR, da UTFPR, IFPR e Unila no próximo semestre. Estiveram presentes, além dos três senadores paranaenses (Alvaro Dias, Flávio Arns e Oriovisto Guimarães), os deputados Gustavo Fruet, Rubens Bueno, José Carlos Schiavinato, Luciano Ducci, Sérgio de Souza, Luizão Goulart, Reinhold Stephanes Jr., Aliel Machado, Toninho Wandscheer e Leandre Dal Ponte.

Compromisso com a Globo
O deputado Homero Marchesi (PROS) cobrou que o presidente da Assembleia Legislativa alterasse a data da votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) das aposentadorias dos governadores, marcada para esta quarta-feira. Autor de emendas ao projeto, Marchesi disse que pelo menos dez deputados devem viajar para Maringá no dia, quando o  governador Ratinho Junior (PSD) faz a transferência simbólica da sede do governo para o município, por conta da Expoingá. Isso  inviabilizaria o quórum mínimo necessário para votar a PEC. Traiano negou o pedido e recusou, inclusive, a sugestão de alterar a sessão plenária para o período da manhã. O presidente da Alep, responsável pela pauta, disse que assumiu “compromisso com a Globo e demais veículos de comunicação” que colocaria a proposta em pauta . “Eu acho que essa matéria vai ser uma discussão muito ampla e marcar a sessão para de manhã não mudará nada. Não será o fato de estar lá no momento da abertura que vai comprometer a presença dos deputados em Maringá”, disse. “É uma decisão da presidência porque estou sendo muito cobrado. Quero limpar a lousa”, afirmou Traiano, completando que vai colocar em pauta também a votação do projeto Escola Sem Partido, que promete gerar discussões calorosas na Casa.

DESTAQUES DOS EDITORES