Publicidade

Secretário de RR vê situação de colapso nas contas públicas

BOA VISTA E PACARAIMA, RR (FOLHAPRESS) - No início de março de 2018, o general carioca Eduardo Pazuello desembarcava em Roraima para coordenar a acolhida de imigrantes venezuelanos.

Nove meses depois, passou a acumular a função de secretário da Fazenda, sob intervenção federal por causa da caótica situação fiscal.

"O estado está colapsado. Não há saída sem redução drástica dos gastos e uma repactuação com o governo federal", disse Pazuello à reportagem na sexta-feira (18), durante a visita de cinco ministros do governo Jair Bolsonaro, na fronteira com a Venezuela.

Roraima acumula uma dívida de mais de R$ 6 bilhões, montante superior a dois Orçamentos anuais. Serviços essenciais estão prejudicados.

O governador Antonio Denarium (PSL) foi a Brasília para discutir a crise. Desde o início do mês, Roraima vive sob estado de calamidade financeira. A intervenção já acabou.

Questionado sobre o que achava ser mais fácil, gerir a Operação Acolhida, que administra 13 abrigos com 6.500 imigrantes, ou as finanças, Pazuello disse não ter dúvida: "Mais fácil a tropa".

DESTAQUES DOS EDITORES