LEED Zero Waste

Sede de empresa em Curitiba é a primeira da América Latina a obter certificação zero lixo

(Foto: Divulgação/Assessoria de imprensa)

Um dos maiores desafios da sociedade hoje em todo mundo – reduzir a geração de lixo – acaba de ser superado por uma empresa de Curitiba especializada em consultoria de projetos de construções verdes no Brasil. A sede da Petinelli, no bairro Rebouças, na capital paranaense, é a primeira do país e da América Latina a obter a certificação LEED Zero Waste, concedida pela organização internacional USGBC (U.S. Green Building Council).

O selo LEED Zero Waste (em português, Liderança em Energia e Design Ambiental) atesta que praticamente todo o lixo gerado pela empresa em seu edifício sede é, de alguma forma, reaproveitado. A sede tem 400m² e ocupa um antigo barracão industrial totalmente reestruturado. Para a certificação, a Petinelli acompanhou por 12 meses a geração e destinação do lixo em sua sede.

A taxa de desvio de aterro chegou a 97%. Apenas resíduos difíceis de serem reutilizados no cenário atual, como papéis metalizados ou plastificados, foram descartados para a coleta do serviço público que é destinada a aterro sanitário. A certificação considera, porém, outros aspectos para além desse índice, explica a TRUE Advisor da Petinelli, Daniela Pires.

“Para ser LEED Zero Waste é necessário comprovar que, em um ano, a empresa desviou de aterro no mínimo 90% dos resíduos, e comprometeu-se com a redução na geração de resíduos descartáveis. Mas esse é apenas um dos componentes da certificação. Também é preciso implementar um programa avançado de gestão de resíduos, que inclui medidas como disseminação de cultura, engajamento de comunidade e desenvolvimento da cadeia de fornecedores”, detalha.

Ações - Providências simples e cotidianas contribuíram com esse processo. Entre elas, configurar as impressoras para impressão duplex, diminuindo e melhor aproveitando o consumo de papel. Outra medida foi orientar os funcionários a, no pedido de refeições (praticamente todos almoçam no edifício), abrirem mão de guardanapos, copos e talheres descartáveis. Práticas de compostagem (uso de lixo orgânico para adubagem de plantas) também foram adotadas.

Outra ação promove a interação entre a empresa e a comunidade: uma campanha interna, realizada duas vezes ao ano, de arrecadação, entre os funcionários, de material de escritório que não esteja mais em uso, porém em boas condições. Os artigos arrecadados são destinados a escolas.

A eliminação de resíduos é conquista que pode ser obtida por empresas dos mais variados setores, e não só por atividades relacionadas a escritório. É o que ressalta Daniela. “A certificação LEED Zero Waste é válida para qualquer tipo de edificação, sejam indústrias, instalações logísticas, escolas, prédios de escritórios, lojas, hospitais e hotéis, contanto que, em todos os casos, já tenham 12 meses de operação”.

Inspiração – O CEO e fundador da empresa, Guido Petinelli, espera que a conquista, pioneira, reverbere e estimule outras organizações a seguirem o caminho da autossuficiência e sustentabilidade. “O DNA da Petinelli é inovação. Nosso trabalho é fazer o impossível, quebrar um paradigma. É repensar hábitos, propondo alternativas e soluções. Sermos a primeira empresa LEED Zero Waste da América Latina significa que o Brasil está ajudando a escrever a história dos edifícios autossuficientes do mundo”, sublinha.

A Petinelli acumula outras certificações que confirmam essa constante busca por quebra de paradigma. A sede da empresa foi a primeira do mundo a receber do USGBC o certificado de zero energia (LEED Zero Energy), atestando a autossuficiência da edificação, que gera 100% da energia necessária para sua operação. O edifício também é o primeiro do Brasil a zerar as emissões de gases de efeito estufa, tornando-se LEED Zero Carbon.

Segundo Guido, a empresa espera agora busca a autossuficiência em água, ou seja, reaproveitar toda a água da edificação, da chuva ou residuais, e tratar 100% dos efluente in loco. “Nosso objetivo é ser LEED Zero ‘tudo’. É assim que mantemos a equipe motivada: pensando grande”, afirma Guido.

A sede da Petinelli em Curitiba tem ainda o selo LEED Platinum, certificação obtida igualmente pelas outras duas unidades da empresa: a de Balneário Camboriú (SC) e o escritório em Porto Alegre (RS). A empresa paranaense conta ainda com a certificação LEED Proven Provider, concedida pelo USGBC às organizações que enviam grande volume de projetos e que comprovam a competência e a excelência na documentação encaminhada.

Problema mundial - Especificamente sobre o LEED Zero Waste, Guido Petinelli assinala que a conquista vai ao encontro de uma das necessidades mais urgentes do mundo: reduzir substancialmente a geração de lixo no planeta. De acordo com estimativas da Organização das Nações Unidas (ONU) e do Banco Mundial, em dez anos serão 2,2 bilhões de toneladas de lixo geradas anualmente, o dobro do volume atual. Se nenhuma providência for tomada, na metade deste século serão quatro bilhões de toneladas de lixo urbano anuais.

“Não há aterro sanitário suficiente para o volume de lixo gerado e ninguém quer ter um aterro na cidade em que mora ou perto da sua casa. Com mais pessoas no planeta, como fazer a gestão do lixo? Essa é uma questão muito séria, que envolve todos nós e avança à galope. Se não fizermos nada a respeito hoje, simplesmente vai ser tarde demais”, adverte o empresário.

Além da responsabilidade ambiental, enfrentar o desafio é, para as organizações, cada vez mais estratégico para a viabilidade do negócio. “Empresas que não colocarem essa questão na sua matriz de risco terão sérios problemas. É fato que, hoje, a sustentabilidade virou uma diretoria dentro das empresas. Faz parte da decisão de investimento e de regras de governança de fundos e, num futuro breve, será um diferencial competitivo”, projeta Guido Petinelli.