Publicidade
Inaugurado

Segundo hospital exclusivo para casos de Covid-19 em Curitiba já recebe pacientes

(Foto: Franklin de Freitas/Arquivo Bem Paraná)

Em apenas um mês, Curitiba inaugurou o segundo hospital exclusivo para tratamento de Covid-19 e abriu 250 novos leitos para tratamento de pacientes do SUS na capital. O Instituto de Medicina, no Alto da XV, foi reformado e reativado numa parceria com a Santa Casa de Misericórdia.

Na nova estrutura hospitalar que estará totalmente ativada nesta quarta-feira (15/7). Serão 110 leitos, 40 UTI e 60 de enfermaria, dos quais 40 (20 UTI e 20 enfermarias) já funcionando e recebendo pacientes desde sexta-feira (10/7).

O primeiro hospital exclusivo para Covid-19 em Curitiba é o Vitória, na CIC. Somados ao Instituto de Medicina e a outros leitos na rede hospitalar da capital, Curitiba passará a contar, até o fim de julho, com 782 leitos SUS exclusivos Covid-19: 352 UTI e 430 enfermarias.

O Instituto de Medicina estava desativado e foi reformado especialmente para virar uma unidade da Santa Casa de Misericórdia, contratada da Prefeitura para administrar o local. Para cuidar do novo hospital, a Santa Casa contratou 400 pessoas, entre médicos, enfermeiros, técnicos e outros profissionais.

“Foi tudo muito rápido, mas o que nos permitiu essa agilidade é a experiência que temos. Toda a equipe foi treinada e capacitada para essa unidade”, explicou Eduardo Otoni, diretor-geral da Santa Casa de Misericórdia de Curitiba.

A cidade pode dispor de um total de 1.088 leitos de UTI (privado, SUS, Covid e não Covid), ativados conforme a necessidade.

A primeira paciente recuperada

A paciente Cláudia Resende Prates foi a primeira alta do novo hospital de Covid-19. Internada na sexta-feira (10/7), a curitibana teve alta nesta segunda-feira pela manhã.

Moradora de Santa Felicidade, é uma das milhares de pacientes monitorada pela Central de Teleatendimento da Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba. E foi numa dessas ligações feita pela equipe da central que lhe recomendaram procurar a UPA para verificar a saturação do oxigênio no sangue.

“Quando me ligaram eu estava com tontura e o rapaz me disse pra procurar a UPA, porque poderia ser a saturação. De lá, já me mandaram pro hospital. Foi tudo rápido e o atendimento foi ótimo. Estamos bem servidos de saúde pública”, disse Cláudia.

O marido dela também é paciente Covid-19 e está internado no Hospital Vitória.

“Ele está na UTI, não foi um caso leve como o meu, mas está muito bem atendido também”, disse.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES