Publicidade
Olímpico

Seleção brasileira de skate tem um paranaense

O paranaense Lucas Xaparral
O paranaense Lucas Xaparral (Foto: Reprodução/Facebook)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Com atletas de 11 anos e destaques internacionais como Pedro Barros e Leticia Bufoni, a Confederação Brasileira de Skate (CBSk) anunciou nesta semana a seleção brasileira da modalidade para a temporada 2019. Essa é a segunda convocação da história e a primeira feita com base em um ranking.

O único paranaense da lista é Lucas Xaparral, de Londrina.

As vagas foram dadas aos quatro primeiros colocados do circuito nacional, o Skate Total Urbe (STU), além de uma por indicação em cada categoria. Os selecionados recebem plano de saúde e apoio financeiro para viagens, de olho na disputa por vagas nos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020.

A seleção atual é válida até setembro deste ano, quando será definido um novo grupo de atletas para a temporada 2020. A classificação olímpica vai até maio do próximo ano.

Não é obrigatório estar na seleção para representar o país no Japão. Além desses nomes, outros atletas do país podem disputar as vagas normalmente.

Veja abaixo todos os representantes da seleção brasileira em 2019:

STREET FEMININO

- Pâmela Rosa

19/7/1999, em São José dos Campos (SP)

Bicampeã mundial da World Cup Skateboarding e do X-Games, no qual já ganhou também duas pratas

- Rayssa Leal

4/1/2008, em Imperatriz (MA)

Compete desde os 7 anos de idade e já bateu as principais adversárias do Brasil. Tentará ser a mais jovem do Brasil em uma Olimpíada (leia mais aqui)

- Virgínia Fortes Águas

10/03/2006, em Niterói (RJ)

Assim como Rayssa, dá trabalho para as mais velhas no Brasil, mas ainda luta por patrocínios até para conseguir competir no país

- Karen Feitosa

16/10/1990, em Guarujá (SP)

Mais experiente da seleção na categoria, foi a primeira brasileira a participar do X-Games. Seus melhores resultados, entretanto, são nacionais

- Gabriela Mazetto

16/09/1997, em Praia Grande (SP)

Já chegou ao top 5 em mundiais e foi vice em X-Games, além de se destacar no Brasil. Ficou machucada na temporada passada e recebeu convite extra

- Leticia Bufoni

13/4/1993, em São Paulo (SP)

Celebridade do esporte, ela é recordista entre as mulheres no X-Games, com dez medalhas (quatro ouros), e tetracampeã do mundo (leia mais aqui)

STREET MASCULINO

- Kelvin Hoefler

10/2/1993, em Itanhaem(SP)

Coleciona títulos em etapas importantes mundo afora, é atual terceiro colocado do ranking mundial. Ganhou dois ouros nos X-Games nos últimos dois anos

- Felipe Gustavo

22/2/1991, em Brasília (DF)

Mudou-se para os EUA aos 16 anos, após ganhar um evento em Los Angeles. Desde então figura entre os primeiros nos principais torneios do mundo

- Tiago Lemos

26/4/1991, em Campinas (SP)

Após bons resultados no início da carreira, impressionou mais em vídeos fora de competição. Em 2017, foi vice no Mundial e no X-Games

- Lucas Xaparral

23/3/1988, em Londrina (PR)

É um caso raro de skatista que se destacou mesmo sem sair do Brasil. Depois, competiu bem mundo afora. É o mais experiente da seleção

- Lucas Rabelo

1/1/1999, em Fortaleza (CE)

O mais jovem da seleção no street coleciona títulos importantes no amador. Ainda não tem experiência contra os melhores do mundo

PARK FEMININO

- Letícia Gonçalves

15/12/1997, em Mogi das Cruzes (SP)

Venceu a etapa de São Paulo do STU em 2018 e terminou o ano na terceira posição do circuito nacional

- Dora Varella

31/07/2001, em São Paulo (SP)

Acumula títulos nacionais e no ano passado disputou as principais competições do circuito internacional de park

- Isadora Pacheco

29/03/2005, em Florianópolis (SC)

Nasceu no bairro Rio Tavares, reduto de skatistas, e começou a andar aos 5 anos. Ela se destacou em campeonatos infantis logo cedo

- Victoria Bassi

22/07/2007, em Santo André (SP)

A segunda atleta mais nova da seleção se destacou em competições infantis e agora já disputa com as profissionais

- Yndiara Asp

19/10/1997, em Florianópolis (SC)

Apesar de não ter começado tão cedo no esporte, aos 15 anos, é o principal nome no park entre as brasileiras, compete internacionalmente e liderou o ranking do STU em 2018

PARK MASCULINO

- Héricles Fagundes

06/12/1996, em São Leopoldo (RS)

Quarto colocado no ranking do STU, destacou durante o ano passado a importância de integrar a seleção para realizar o sonho de ir à Olimpíada

- Pedro Quintas

13/05/2002, em São Paulo (SP)

Mais novo entre os homens nas duas categorias, ele ganhou a etapa de São Paulo e foi o segundo colocado do ranking do STU em 2018

- Luiz Francisco Mariano

24/07/2000, em Lorena (SP)

Após ter se destacado em campeonatos de street desde criança, agora faz do park a sua especialidade e compete internacionalmente

- Murilo Peres

01/04/1996, em São Paulo (SP)

Tido como um dos líderes de uma nova geração de skatistas, também possui uma empresa de construção de pistas de skate

- Pedro Barros

16/03/1995, em Florianópolis (SC)

Principal skatista brasileiro, é dono de 10 medalhas em X Games e campeão mundial do primeiro evento reconhecido pelo Comitê Olímpico Internacional, em 2018

COMO FUNCIONA A CLASSIFICAÇÃO PARA OS JOGOS DE TÓQUIO-2020

Número de competidores:

20 na categoria street feminina

20 na categoria street masculino

20 na categoria park feminina

20 na categoria park masculino

Em cada evento há o limite de 3 representantes por país e o mínimo de 1 skatista por continente. O Japão tem vaga garantida em cada um deles.

- Mundiais

Os três primeiros colocados dos campeonatos mundiais da temporada 2020 já estarão classificados.

- Ranking

Levará em consideração eventos nacionais, continentais e mundiais disputados de 1º de janeiro de 2019 a 31 de maio de 2020. Serão considerados os três melhores resultados da temporada 2019 (até 15 de setembro) e os seis da temporada 2020 (de 16 de setembro até 31 de maio)

DESTAQUES DOS EDITORES