Publicidade

Sem brilho de Messi, Barcelona arranca empate com o Napoli na Itália

O Barcelona conseguiu arrancar o empate por 1 a 1 com o Napoli, nesta terça-feira, no Estádio San Paolo, no jogo de ida das oitavas de final da Liga dos Campeões da Europa, mesmo sem ter uma boa atuação. Sem muito brilho de Messi, o time contou com um gol de Griezmann na etapa final para definir a igualdade na etapa final, após ir ao intervalo perdendo por 1 a 0, vazado que foi por Mertens.

A partida tinha conotação especial para Messi, pois Nápoles, cidade do confronto, trata Diego Maradona como um "deus". Mas o sucessor do craque na seleção argentina não conseguiu ser decisivo, fez um primeiro tempo apagado, até cresceu de rendimento na etapa final, mas não fez o suficiente para deixar a Itália com a vitória. Assim, o fator histórico ficou com Mertens, que se igualou ao eslovaco Hamsik como maior artilheiro do Napoli em todos os tempos, com 121 gols.

O duelo de volta das oitavas de final da Liga dos Campeões está agendado para 18 de março, no Camp Nou, onde o vencedor passará de fase e uma igualdade por 0 a 0 favorece o Barcelona. Já qualquer empate por mais de um gol de diferença classifica o time italiano.

O JOGO - Acostumado a ter postura mais ofensiva em seus jogos, o Napoli exibiu bastante respeito ao Barcelona na partida desta terça-feira. Mesmo atuando em casa, o time optou por jogar mais recuado, fechado em seu campo de defesa, para tirar os espaços do adversário e explorar os contra-ataques para ameaçá-lo.

Essa estratégia deu certo no começo da partida, tanto que foi o Napoli que chegou com mais perigo. E o time abriu o placar aos 28 minutos, aproveitando vacilo da defesa do Barcelona. Firpo saiu jogando errado, Zielinski tomou a bola, invadiu a área pela direita e cruzou rasteiro para trás. Insigne deixou a bola passar, mas Mertens dominou na meia-lua e soltou uma bomba, no ângulo esquerdo da meta de Ter Stegen, marcando um golaço. E foi um gol histórico para o belga, pois ele se igualou a Hamsik como maior artilheiro da história do clube, com 121 gols cada.

Ainda antes do fim do primeiro tempo, Manolas quase ampliou para o Napoli. Só que o cenário da partida se alterou na etapa final. E a troca de passes, até então infrutífera, enfim surtiu efeito para o Barcelona. Aos 11 minutos, Busquets deu lindo lançamento na área pela direita, Semedo avançou pelas costas de Mario Rui e cruzou rasteiro para Griezmann que, da marca do pênalti, bateu de primeira para as redes.

A partir daí, o duelo ficou mais movimentado, embora o predomínio do Barcelona com a posse de bola permanecesse. Mas o Napoli passou a ser mais incisivo no ataque, tanto que Ter Stagen salvou duas vezes o time catalão, em finalizações de Milik e Callejón.

Messi, até então apagado na partida, criou e teve suas chances de empreender uma virada. Ele parou em Ospina em uma jogada individual, fez a cobrança de escanteio para Umtiti desperdiçar oportunidade de cabeça e ainda deu ótimo passe para Arthur, que iniciou o duelo no banco de reservas, finalizar para fora.

A melhor chance do jogo com o placar em 1 a 1, porém, foi do Napoli, em um chute colocado de Insigne. O time da casa ainda ficou com um jogador a mais após a expulsão de Vidal, que recebeu o primeiro amarelo por falta dura em Mario Rui e o segundo por uma tentativa de cabeçada no adversário, percebida pela arbitragem após consulta ao VAR. Mas a partida terminou sem outros gols.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES