Publicidade

Sem torcida, time da Bielorrússia inova e coloca manequins na arquibancada

A Bielorrússia, um dos únicos países do mundo em que há futebol apesar da pandemia do novo coronavírus, protagonizou algo inusitado. Diante do boicote dos torcedores, que não têm ido ao estádio em meio ao surto do vírus, o Dínamo Brest, atual campeão nacional, resolveu inovar e colocou manequins nas arquibancadas.

Os bonecos são vestidos com camisas do clube e adornados com os rostos de torcedores reais, que compraram uma espécie de ingresso virtual para ter sua imagem estampada nos manequins.

A Bielorrússia é o único país da Europa que permite a prática de esportes profissionais com público em meio à pandemia de covid-19. Mas, diante do risco de contaminação, a maioria dos torcedores escolheu ficar em casa, de modo que 10 dos 16 clubes da primeira divisão viram a presença dos fãs nos estádios diminuir consideravelmente, incluindo o Dínamo Brest e o Bate Borisov, que disputa com certa frequência a Liga dos Campeões.

Enquanto os verdadeiros fãs se afastam, os manequins chegaram para acompanhar a semifinal da Copa da Bielorrússia na última quarta-feira contra o Shakhtyor Soligorsk. O jogo terminou 2 a 0 para o Dínamo Brest. O clube bielorrusso já teve como presidente o ídolo argentino Diego Maradona.

Com poucos jogos para assistir em outros lugares, alguns fãs estrangeiros começaram a assistir a jogos na Bielorrússia. O Secretário-geral do Dínamo Brest, Vladimir Machulsky, quer que eles se sintam em casa.

"É a nossa ideia criativa. Dessa maneira, um espectador virtual que está vendo

o jogo transmitido pela televisão pode se ver nas arquibancadas", disse Machulsk à Associated Press. Nós entendemos os fãs que se recusaram a ir aos jogos. Decidimos ter uma abordagem criativa da situação".

O clube disse que 12 ingressos "virtuais" foram vendidos para o duelo de quarta-feira. Os compradores eram de seis países, incluindo Estados Unidos e Canadá. Os valores são bem superiores aos bilhetes normais.

A continuidade dos esportes é apoiada pelo presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, e chamou a atenção para o futebol do país por redes de televisão estrangeiras e sites de apostas. Lukashenko entende que não há necessidade de fechar locais de trabalho e eventos públicos.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES