Música

Série apresenta o fim dos Beatles sob nova perspectiva

Peter Jackson tinha um sonho: que, como nas histórias de ficção científica, alguém inventasse uma máquina do tempo. Se ela existisse, o diretor saberia exatamente para onde gostaria de ir - os anos 1960, mais precisamente para um estúdio em que os Beatles estivessem ensaiando ou compondo.

Pois seu sonho foi realizado. Durante quatro anos, foi como se ele tivesse se sentado no cantinho, só vendo John, Paul, George e Ringo fazerem sua mágica. O resultado é a série The Beatles: Get Back, disponível desde quinta-feira, dia 25, no Disney+. O desejo do diretor vencedor do Oscar por O Senhor dos Anéis - O Retorno do Rei é colocar cada espectador naquele estúdio. "Não queria imagem granulada, nem entrevistas no presente. Queria que estivéssemos lá, com eles."

Lá, no caso, é janeiro de 1969, quando eles preparavam 14 novas canções para seu primeiro show em dois anos, que resultaria em um novo disco e em um documentário. A filmagem foi feita por Michael Lindsay-Hogg para o longa Let It Be, lançado apenas em maio de 1970, junto com o álbum de mesmo nome e um mês depois do anúncio do fim dos Beatles.

PRELÚDIO. Por causa disso, ficou conhecido como um longa que documentou a relação desgastada entre os membros da banda e seu fim. Jackson sempre teve curiosidade de saber se havia material não usado no filme de Lindsay-Hogg. Havia, e Jackson começou a analisar as 60 horas de gravações inéditas.

"Eu comecei a rir. Era inacreditável estar vendo Paul compor Get Back", disse. Há, sim, o momento em que George Harrison abandona a gravação. "Mas isso é da vida, não são os Beatles rompendo." Porque, na verdade, não era mesmo: era janeiro de 1969, 15 meses antes do anúncio do fim.

Há humor, há a mágica que eles conseguiam criar juntos e, claro, algumas rusgas, diz o diretor. Mas nenhum xingamento. Só muita amizade e companheirismo. Mesmo a presença de Yoko Ono, sempre controversa, pode ser analisada com outros olhos. "Ela está lá porque John está apaixonado", afirma. "Os outros a aceitam porque amam John. E Yoko em momento nenhum interfere no que estão fazendo." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.