Longa permanência

Sesa orienta instituições para idosos que façam novo ciclo de testagem para Covid-19

(Foto: Divulgação/Sesa-PR)

A Secretaria da Saúde do Paraná (Sesa-PR) recomenda a realização de um novo ciclo de testagem para a Covid -19 nas 450 instituições de longa permanência para idosos para evitar novos surtos da doença. A indicação acontece em atenção ao atual estágio da pandemia e da necessidade de rastreamento laboratorial e cuidado permanentes nas ILPIs públicas, privadas e filantrópicas.

A Nota Orientativa da Sesa, no.41, atualizada no dia 12 de novembro, destaca a importância das instituições estabelecerem um cronograma para os exames visando a identificação precoce da presença do vírus, além da utilização das medidas de prevenção e controle de forma intensiva.

Devem participar deste novo ciclo cerca de 10 mil idosos que moram nas instituições e perto de 6 mil profissionais que atuam nos locais. A recomendação é para que todos façam o exame, mesmo que já tenham sido testados no primeiro ciclo disponibilizado no início de julho pela Sesa.

“As instituições de longa permanência abrigam uma população mais fragilizada, com níveis variados de dependência e com necessidades complexas, por isso nossa atenção e vigilância constantes para se evitar a propagação do vírus e ocorrência de surtos da Covid-19 entre os idosos e profissionais”, afirmou o secretário de estado da Saúde, Beto Preto.

A Nota Orientativa da Sesa destaca que, diante das características dos residentes nas ILPIs, a identificação do primeiro caso de Covid-19 já deve ser considerada como surto desencadeando imediatamente todas as ações de atenção e vigilância necessárias.

As características das instituições favorecem a transmissão do vírus, pois a atenção aos moradores deve ser contínua e prestada por trabalhadores que se revezam em turnos de trabalho, muitas vezes intercaladas com atuação de outras instituições ou mesmo serviços de saúde.

“Em função de todas essas características, a testagem constante nas ILPIS vem se mostrando a melhor estratégia, junto é claro, com as medidas de higienização das mãos e superfícies e do uso de máscaras. Desde o início do primeiro ciclo de testagem foram detectados casos positivos em 129 instituições que informaram seus resultados e, em 97 delas foram encontrados precocemente o caso positivo evitando evolução para surto grave”, explicou a diretora de Atenção e Vigilância em Saúde, Maria Goretti David Lopes.

Prevenção - A Sesa recomenda que – quando for detectado resultado positivo no RT-PCR, seja de residente ou trabalhador, deve-se seguir com a testagem semanalmente até que todos tenham resultados negativos por duas coletas consecutivas.

Em caso de confirmação, os residentes com suspeita por Covid-19 devem permanecer em isolamento e os trabalhadores devem ser afastados.

As instituições que não apresentarem casos positivos após a testagem de todos os idosos e profissionais, devem seguir com o rastreio com RT-PCR dos trabalhadores a cada 15 dias.

Os municípios devem estabelecer o ponto da rede de Atenção à Saúde que dará suporte à ILPI, que poderá ser uma Unidade Básica de Saúde, Hospital referência e /ou Serviço de Remoção.

“O cuidado com o idoso é prioridade na Sesa, com atenção redobrada neste momento de pandemia. Atento ao que ocorre no mundo, o Paraná foi o primeiro estado a orientar a testagem em todas as ILPIs. A recomendação do Governo do Estado visa a prevenção, proteção e recuperação da saúde dos idosos que vivem em Instituições de Longa Permanência”, afirmou a diretora de Atenção e Vigilância em Saúde e coordenadora do COE, Maria Goretti David Lopes.

Os insumos para os testes são disponibilizados pela Sesa, diante de demanda cadastrada pelos municípios junto às 22 Regionais de Saúde da Sesa.

Apoio – Assim que a Nota Orientativa (no.41) da Sesa foi aprovada em reunião do COE (Centro de Operações em Emergências) e publicada, o Ministério Público, por meio do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Defesa dos Direitos do Idoso e da Pessoa com Deficiência , enviou ofício circular aos promotores do estado solicitando às respectivas comarcas a verificação de ciência junto às ILPIs e gestores municipais.