Publicidade
Transporte

Tarifa de ônibus de Curitiba sobe no dia 28; saiba mais sobre o aumento

(Foto: SMCS/Arquivo)

A tarifa do passageiro do transporte coletivo de Curitiba ficou congelada por dois anos. Frente ao aumento dos custos envolvido no sistema, o valor foi reajustado.

Saiba mais sobre a tarifa e os custos do transporte público na capital.

Quanto era e quanto ficará o valor a tarifa do passageiro em Curitiba?
De R$ 4,25 para R$ 4,50.

Quando começa a valer?
A partir de quinta-feira, 28/02/2019,

Comparado com a inflação, qual o impacto do reajuste?
No período de dois anos, em que a tarifa ficou sem alteração o IPCA (Índice Nacional de Preço ao Consumidor Amplo) subiu 6,7%. O reajuste na tarifa ficou em 5,8%.

Como é definida a tarifa de ônibus?
Na conta entram desde gastos com diesel e lubrificantes, salário dos motoristas e dos cobradores e os impostos trabalhistas, além de peças, manutenção da frota, limpeza dos ônibus, das estações-tubo e dos terminais e renovação da frota. Estes são os principais fatores que definem o valor da tarifa. Outra importante variável de cálculo da tarifa é a quantidade de passageiros pagantes.

Quais os itens de custo que mais pesam no valor da tarifa?
Salários: A folha de pagamento dos cobradores e motoristas e os impostos que incidem é o que mais pesa: 50% do custo total do transporte. A Urbs está prevendo um aumento de no mínimo 3,5% para o reajuste salarial da categoria.

Diesel: O fim do desconto do ICMS do diesel, por exemplo, a partir janeiro deste ano, esse principal insumo dos ônibus já aumentou 13% e poderá chegar a 23% nos próximos meses. A base de cálculo é a pesquisa da Agência Nacional de Petróleo.

Qual o número total de passageiros transportados por dia?
O sistema de Curitiba transporta 1,3 milhão de passageiros dentro da Rede Integrada.

Quantos são pagantes?
600 mil.

Por que os demais não pagam tarifa?
O número de passageiros transportados corresponde às integrações dentro do sistema. Dentro desse total, 15% de passageiros são beneficiados por isenções asseguradas em lei como idosos, pessoas com deficiência, estudantes (meia passagem) e ainda os passageiros da Região Metropolitana que entram no sistema urbano pelas integrações.

Quantos passageiros da RMC entram no sistema de transporte curitibano sem pagar outra tarifa?
Cerca de 2.400.000 passageiros por mês.

De onde vem o dinheiro para cobrir esses custos?
Hoje, a única fonte de receita e também a mais importante é o número de passageiros pagantes.
Os 1.250 ônibus da frota operante de Curitiba rodam uma média de 282 mil quilômetros por dia em Curitiba e cada ônibus deve receber um número de passageiros pagantes suficiente para cobrir todos os gastos citados acima. Quanto menos passageiros pagantes, mais cara a tarifa.

O que é tarifa técnica?
É o custo do transporte dividido pelo número de passageiros pagantes equivalentes. Ela representa o valor real por passageiro pago às empresas de ônibus. Atualmente a tarifa técnica é de R$ 4,79.

O que a Prefeitura faz para cobrir a diferença?
Essa diferença é custeado por subsídios, por meio do Fundo de Urbanização de Curitiba, uma conta pública usada exclusivamente para o transporte público. A Prefeitura e o Governo do Estado firmaram um acordo em 22/02 para dividir os custos do déficit.

Quando é definido o reajuste? Por que é esta data?
Por contrato, a tarifa técnica é reajustada em 26/2 de cada ano, ou ainda quando há desequilíbrio no contrato, levando em conta todos os custos acima mencionados. Com base nestes custos definidos, um ato do prefeito pode reajustar ou não a tarifa social.

Qual o impacto para o sistema de transporte e para o município caso a tarifa não seja reajustada?
Caso não haja reajuste haverá desiquilíbrio financeiro no sistema e as empresas ficam sem receber e também de pagar os salários dos motoristas e cobradores, ocasionando greves e paralisações, além de impossibilitar a renovação da frota. A outra opção seria ajustar o sistema ao custos, cortando número de viagens, linhas e reduzindo a quilometragem rodada.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES